Primeira rapper afegã contra a repressão a mulheres

Soosan Firooz é a primeira mulher a fazer Rap no Afeganistão. Lançou, em Junho, o seu primeiro single — pelo qual já recebeu ameaças de morte - que retrata a repressão a mulheres e crianças e o desejo de paz no Afeganistão

A primeira mulher a fazer música Rap no Afeganistão, chama-se Soosan Firooz. A jovem, de 23 anos, lançou em Junho o primeiro single ("Our Neighbors") com a ajuda do músico e compositor, Fared Rastagar.

Logo após a colocação do vídeo, a família Firooz recebeu várias ameaças de morte, de carácter anónimo. À revista Time, a mãe contou a mais recente: “Se a tua filha aparece outra vez na televisão, cortamos-te a cabeça”. Apesar da ameaça, Soosan não se deixa silenciar.

Soosan respondeu com uma entrevista à CBS. “Quanto tempo vamos manter este silêncio?”, questionou.

Nas letras do seu single, a jovem aborda a repressão sofrida por mulheres e crianças, recorda os momentos difíceis passados na sua infância (como crescer sendo refugiada no Irão e Paquistão) e apela à paz no Afeganistão.

No vídeo publicado no YouTube – que já conta com cerca de 93 mil visualizações – aparecem várias fotografias de Soosan. Além de estar sem a burca, as fotografias demonstram a artista com roupa ocidental, com o seu cabelo longo, maquilhagem, e acessórios.

A “rapper” não tem orçamento suficiente para fazer um vídeo melhor e CD’s. Apesar dessas dificuldades, conta com a ajuda do compositor Fared Rastagar e com os simpatizantes da artista. Recebeu, recentemente através de um dos seus apoiantes, um piano para trabalhar na sua música.

Soosan vive num bairro no norte de Kabul, no Afeganistão, com a família. A mãe faz trabalho humanitário, e tenta manter em segredo a carreira da filha. O pai abandonou o seu trabalho numa companhia de electricidade do governo, para ser guarda-costas da filha, a tempo inteiro.

Para já, está a fazer performances em frente aos homens, na sua cidade, e está a preparar o seu novo single que elabora o que é ser uma jovem mulher que vive no Afeganistão.

Sugerir correcção