Maravilhas de Ravel, o presente de Natal do São Carlos para toda a família

L'enfant et les sortilèges, de Maurice Ravel, chega agora a Lisboa na encenação de James Bonas, com direcção musical de Joana Carneiro. E promete ser uma experiência "visceral e surpreendente”, como convém a uma ópera que para muitos poderá constituir uma primeira vez.

Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS
Fotogaleria
NUNO FERREIRA SANTOS

Uma azáfama no teatro: último dia de ensaios no São Carlos, e os trabalhos não paravam. Era preciso acertar detalhes musicais e gestos dos cantores, ensaiar movimentações e agradecimentos, olear a máquina para o dia seguinte. Em causa estava a estreia, esta quinta-feira, da “fantasia lírica em duas partes” L'enfant et les sortilèges, que é, na verdade, uma ópera num só acto composta por Maurice Ravel.

A segunda ópera do compositor francês – e depois não houve mais nenhuma – é uma peça que o Teatro Nacional de São Carlos apresenta (até 6 de Janeiro) como “uma experiência mágica para crianças e adultos”, e foi escrita de facto com a intenção de se dirigir ao público mais jovem, tendo uma criança como protagonista. Uma criança apresentada de início como desobediente, preguiçosa (“Não me apetece trabalhar”) e cruel (“Apetece-me puxar o rabo do gato!”), que destrói as coisas que a rodeiam. Mas essas coisas começam a tomar vida e aí se iniciam os “sortilégios” do título desta ópera de Ravel.

O compositor partiu de um libreto de Colette, de seu nome completo Sidonie-Gabrielle Colette, escritora e actriz nascida em 1873, figura “escandalosa” na Paris da transição do século, sobretudo devido à sua assumida bissexualidade. O director da Ópera de Paris tinha-lhe pedido que escrevesse um “bailado-fantasia” em 1915. Colette admirava Ravel e gostou da ideia de lhe encomendar a música para o seu libreto, que recebeu o título provisório de Divertimentos para a minha filha. Mas Ravel estava na altura a combater na Primeira Grande Guerra Mundial. E em 1917 teve um desgosto profundo com a morte da sua mãe. Depois da guerra, recomeçou lentamente a compor (e a recompor-se), e pegou finalmente no libreto de Colette, terminando a composição apenas em 1925.

“A música de Ravel e o libreto de Colette são extraordinários”, diz-nos o encenador James Bonas, que estreou uma outra produção desta mesma obra para a Ópera de Lyon na temporada passada. “Há imagens poéticas e uma alegria que apela ao sentido do maravilhoso”, continua. A versão que veremos em Lisboa não tem contudo a animação de Grégoire Pont com que se estreou em França: “Houve problemas logísticos de vária ordem e tivemos de fazer sem a animação prevista, começando de novo e arranjando outras soluções. Tinha decidido pôr a orquestra no palco. Era importante mostrar a extraordinária orquestração de Ravel”, explica o encenador inglês, que tem lidado frequentemente com o mundo da ópera.

“Há jazz, brincadeiras com o teatro musical. Brincadeiras musicais e até de 'não-música'. E muitos efeitos sonoros. No tempo de Ravel, foi uma obra supreendente, experimental e desafiante”, resume James Bonas numa conversa no Salão Nobre. Não esconde a sua admiração pelo edifício do São Carlos, que quis mostrar também nesta encenação: “A música explora territórios: de repente podemos estar num jardim, por exemplo. Tentei que a encenação pudesse estar no meio do som e jogar com o espaço. Encontrando os espaços no próprio edifício, na sala do São Carlos. Jogando com objectos, mas também com os sítios de onde as personagens podem aparecer."

Sentir os cantores

E de facto os cantores aparecem dos lugares mais improváveis, com as luzes a ajudarem à criação de um espaço de imaginação um pouco especial: “Começamos como um concerto formal, com a separação tradicional entre palco e público, e depois isso quebra-se, o concerto desfaz-se, desmorona-se. Na peça isso também acontece. Desdobra-se, e somos puxados para um mundo diferente." Um mundo de magias e ironias, brincadeiras e violências, tons e cores, que é criado pela orquestra dirigida por Joana Carneiro, mas também pelos cantores: “Também julgo que é importante a proximidade com os cantores, que na ópera parecem sempre estar muito longe. Por isso criei momentos em que estão ao lado dos espectadores ou em locais improváveis. Para se sentir a energia dos cantores, perto de nós. E ao mesmo tempo activar a imaginação, dar-lhes uma experiência marcante.”

Tudo num ritmo alucinante: “Aqui há mais de 20 cenas em menos de uma hora. É um ritmo muito rápido, a imagem move-se constantemente”, diz James Bonas. L'enfant et les sortilèges é uma ópera pequena em duração, mas cheia de maravilhas que se vão desdobrando e desfazendo, a partir da prosa poética do libreto original de Colette.

Assim se instala o tal mundo diferente e maravilhoso, num processo de descoberta e aprendizagem, para a criança-personagem e para nós, os espectadores: “Pode haver uma imagem literal, mas convida-se o público a usar a imaginação. Um sapo ou um relógio, por exemplo, fazem-se através de pequenos gestos.” Nesse jogo de imaginação, nota o encenador, as crianças são peritas: “Convidadas a usar a imaginação, elas alinham. Um pequeno movimento do dedo pode ser um barco. Aqui isso acontece, e obriga os espectadores a uma atitude activa."

Activa e criativa, como deve ser a experiência de uma ópera, segundo James Bonas: “Julgo que a primeira experiência de uma ópera é importante e deve ser visceral e surpreendente.” E é isso que nos promete o encenador de L'enfant et les sortilèges: “Uma ópera divertida, surpreendente, imersiva." Perdoaremos nós as maldades da criança? Só vendo e ouvindo este “maravilhoso” Ravel no São Carlos.

Sugerir correcção