Já começou a corrida para ver a série Curfew?

A Corrida Mais Louca do Mundo com zombies, Ned Stark e a peritagem de Top Gear existe. Veio da Sky para a HBO Portugal para entrar prova de velocidade que hoje é ver uma série.

,Um céu
Fotogaleria
DR
,Rose Williams
Fotogaleria
DR
,Um céu
Fotogaleria
DR
Regredir
Fotogaleria
DR

Sem querer, Curfew é a nova série que simboliza a corrida em que o streaming transformou o acto de ver televisão para simultaneamente fugir aos spoilers e chegar à meta que é o momento em que finalmente se pode conversar sobre ela. “Já viste o Stranger Things?” “Já acabaste o Dark?” Ou, este fim-de-semana, “Já estão a ver a Casa de Papel?”.

A febril e viciante Curfew nasceu em Fevereiro na televisão tradicional na Sky One britânica, mas também foi logo posta online na íntegra. Chegou este mês a Portugal via HBO, onde tem oito episódios que são, literal e figurativamente, uma corrida. Nesta série corre-se para fugir a uma Londres em que o curfew, que dá título à série, é um recolher obrigatório de direitos civis e liberdades em nome da protecção da normalidade e contra uma praga que, claro, não é estranha ao governo.

É bom chegar a ela sem grande informação, mas uns pozinhos não fazem diferença sobretudo quando o poster sugere em vão a imagética 80s e os néones sonoros e visuais do genérico a confirmam (e sim, é normal pensar nos créditos hipnóticos de Stranger Things). Pense-se n’A Corrida Mais Louca do Mundo (sim, a série de animação com Mutley e companhia) e em 28 Dias Depois, de Danny Boyle, e o espírito da coisa fica muito vagamente resumido. A crítica Lucy Mangan, do britânico The Guardian, prefere cruzar Death Race e The Walking Dead como referências, e o New York Times arruma a coisa com um “Ned Stark num muscle car”. 

Sean Bean, um dos actores com mais mortes significativas na fantasia das últimas décadas, Miranda Richardson e Billy Zane são os nomes famosos de um elenco extenso que nem por isso lhes dá verdadeiro protagonismo. Criada e escrita por Matthew Read (Happy Valley, Taboo) e filmada por Colm McCarthy (Peaky Blinders), os números com carros são coordenados pelo homem que vivia sob o capacete de Stig em Top Gear, Ben Collins. O ecrã transborda de distopias e o filão dos zombies parecia já ter começado a estagnar – eis senão quando aparece Curfew, uma miscelânea a 100 à hora.