PDVSA, BES e BCP dominavam fluxos para offshores no momento do apagão

Ministério Público investiga sabotagem informática e abuso de poderes no caso do “apagão” no fisco. Nos anos da troika, sucursais em Angola movimentaram fundos para paraísos fiscais através de Portugal.

Foto
Rui Gaudencio

Ao longo de 2011 a 2014, nos anos da troika, Portugal foi o ponto de partida de 18.200 milhões de euros em transferências para offshores. Hoje, o ritmo dos fluxos é ainda maior. Mas, na altura, o país estava longe de saber quem enviava mais dinheiro para os paraísos fiscais. E, para dificultar o cenário, uma parte da informação comunicada pelos bancos, correspondente a 10.000 milhões, não ficou registada na base central de dados da autoridade tributária.