Espelho meu, espelho meu, há alguém mais musculado do que eu?

A alegada toma de hormonas pelo actor Ângelo Rodrigues faz reflectir sobre uma masculinidade exagerada e artificial. Vale tudo, mesmo pôr a saúde em risco, para a conseguir? O PÚBLICO ouviu especialistas.

Foto
Ann Wang/Reuters

Narciso, chamemos-lhe assim em honra ao herói grego castigado por causa da sua beleza, tinha 22 anos quando começou a injectar-se com testosterona para ficar com o corpo mais musculado, para participar em provas de culturismo. “Tornou-se tão viciante ver os resultados do corpo formidável que não conseguia parar de querer ter mais e mais músculos, nem pensava que podia ser perigoso para a saúde”, desabafa o jovem que não quer ser identificado. No entanto, “é perigoso por causa dos efeitos potencialmente fatais ou irreversíveis que pode causar”, alerta Leonor Gomes, presidente do Colégio de Especialidade de Endocrinologia/Nutrição da Ordem dos Médicos (OM).