Joker: entram os palhaços dos anos 70

O cinema americano dos anos 70 era adulto, cismado, devastado. Nada cómico. Joker, de Todd Philips, faz disso coisa de “comics”. O supervilão e inimigo de Batman está sempre a disparar imaginariamente à cabeça como o Travis Bickle de Taxi Driver. Chegou um dos filmes mais aguardados do Festival de Veneza.

,Filme
Foto
Joaquin Phoenix como Joker Nico Tavernise

Quando Joaquin Phoenix, que tem máscara de palhaço, diz a Robert de Niro, que tem cara de rei do talk show, “acho que toda a vida te conheci”, a personagem que Joaquin interpreta, Arthur Fleck, está a fazer de uma família de paranóicos a sua cara. Mais: esses paranóicos, Travis Bickle e Rupert Pumpkin, o insone solitário de Manhattan e o desajustado aspirante a comediante, são a sua alma, fazem parte da caminhada existencial de Arthur até se tornar Joker, o supervilão que terá no futuro décadas de rivalidade com Bruce Wayne, o vigilante Batman, o super-herói.