Crítica

“Quando te lanças ao caminho”…

Em A Mesa dos Gatos Pingados, Ondaatje faz questão de apontar, numa nota final, que não se trata de um romance biográfico, embora tudo aponte para tal.

,O Paciente Inglês
Foto
Neste romance, Ondaatje apropria-se de vários registos, icluindo o da narrativa picaresca Rob Stothard/Getty Images

A viagem como metáfora da existência faz parte do cânone literário e quando um escritor como Michael Ondaatje, o canadiano cingalês autor de obras-primas como O Paciente Inglês e O Fantasma de Anil, decide explorar esse caminho, é certo que podemos esperar um relato cheio de peripécias, numa linguagem poética e perfeitamente ritmada. “Mynah” ou Michael, o narrador de A Mesa dos Gatos Pingados, tem apenas 11 anos quando embarca sozinho em Colombo, capital do Ceilão (hoje Siri Lanka),no Oronsay, o navio que o levará a Inglaterra. A viagem durará três semanas, via Canal do Suez e Mar Mediterrânico. Vai reunir-se à mãe, depois de um tempo passado à guarda dos tios. A bordo, é-lhe destinado um lugar à mesa mais afastada da do comandante, onde se juntam os passageiros menos prestigiados, mas indubitavelmente mais interessantes. Com outros dois rapazes, Cassius, o aventureiro turbulento que masca folhas de bétel e o frágil e meditativo Ramadhin, forma um gangue que actuará em conjunto, aparecendo em todo o lado, explorando lugares inacessíveis, ocupando espaços proibidos, espiando toda a gente, colaborando em esquemas duvidosos, revelando segredos bem guardados e resvalando, inexoravelmente, para conflitos e para situações de extremo perigo. O barco, uma cápsula claustrofóbica onde os passageiros são forçados a uma intimidade nem sempre desejável é, para os rapazes, um campo fértil de aventuras infindáveis, longe dos dramas psicológicos dos adultos, livres de qualquer supervisão constrangedora.