Expedição aos Açores vai dar origem a documentário sobre o poder transformador do mar

Açores Atlantis 2019 é o nome da expedição organizada pela Oceans and Flow. O objectivo é a realização do documentário Song for Atlantis, que fará parte de uma série aquática realizada por Violeta Lapa e Gustavo Neves.

Dança
Foto
Açores - Oceans and Flow 2016 Oceans and Flow

Os Açores já foram o destino de 2 das 7 viagens organizadas pela Oceans and Flow, uma empresa de “turismo sustentável” criada por Violeta Lapa. Agora, as águas que banham o “arquipélago verde” serão alvo de uma pesquisa aprofundada e palco de várias experiências aquáticas que culminarão num documentário realizado por Gustavo Neves.

Song for Atlantis é o nome provisório dado ao documentário que resultará da Expedição Açores Atlantis 2019, organizada pela Oceans and Flow. “Atlantis puxa o lado místico”, diz à Fugas o cineasta encarregue do filme, acrescentando que, de facto, é exactamente esse o lado que querem trazer à tona. Quando se mergulha “acede-se quase a um outro mundo”, onde se tem acesso a “um diferente tipo de linguagem e comunicação”. 

A expedição começou esta terça-feira, 10 de Setembro, e prolonga-se por sete dias. Está estabelecida a passagem pelas ilhas de São Miguel, de Santa Maria, do Faial, de São Jorge e do Pico, mas é ao “sabor do vento” que irão.

PÚBLICO -
Foto
Açores - Oceans and Flow 2016 DR

A bordo encontra-se uma equipa de 13 pessoas, entre estas Violeta Lapa, especialista em terapia e dança aquática,  Leina Sato, mergulhadora especialista em golfinhos, Henrique Pistilli, conhecido como homem-peixe, Jean-Marie Ghislain, fotografo especialista em tubarões, Matthieu Paley, fotógrafo da Time e da National Geografic , Juliana Marinho, (Capitão) André Branco, Rita Ferreira e Gustavo Neves, claro. Todos eles aventureiros por natureza e apaixonados pelo mar, mas todos com interesses distintos e algo diferenciador para juntar à equipa. “É como se fosse uma partilha de conhecimento em alto mar ao mesmo tempo que estamos em pesquisa e exploração”, explica Gustavo. O que pretendem é “comemorar o mar juntos”.

PÚBLICO -
Foto
Açores - Oceans and Flow 2017 DR

A menção da equipa é bastante relevante pois será ela o maior foco de Song for Altantis. O velejar e os animais marinhos serão também temas abordados. Serão feitas actividades como mergulho livre e dança aquática em apneia, body surf, vela, entre outras. Haverá, também, palestras. Para além dos atletas convidados, haverá sete participantes inscritos num retiro aquático que a  Oceans and Flow  irá promover.

Para Gustavo Neves que trabalha há cerca de três anos com Violeta Lapa, o velejar será o que de mais especial haverá nesta expedição. “É muito simbólico. Estamos parados e o mundo está a girar”, explica o cineasta. Para Violeta é “a conexão com toda a existência.”

Este é o segundo episódio de uma série aquática surgida há cerca de um ano e meio. Segundo Violeta, a série, que deverá ter 13 episódios, é “a partilha do caminho aquático” que têm percorrido e das histórias das pessoas com quem se têm cruzado. O objectivo do conjunto de expedições que resultarão nestes documentários é o retirar da harmonia do mar inspiração para o dia-a-dia, promovendo o autoconhecimento, aliando a essa aprendizagem acções que podem ser benéficos para a saúde.

Embora cada episódio venha a adquirir um estilo próprio, a água é o fio condutor que ligará episódio a episódio, mas Gustavo garante que “os temas a abordar à volta da água podem ser os mais variados, porque a água conecta todas as áreas da vida”. Pretendem que a série tenha impacto social e ambiental e que desperte, diz a criadora da Oceans and Flow, “uma escuta mais profunda da natureza”. O episódio piloto decorre na Grécia e será lançado no final de Outubro no país que lhe deu vida, num festival de Cinema de Turismo Sustentável.

PÚBLICO -
Foto
Violeta Lapa. Açores - Oceans and Flow 2017 DR