Descoberta enguia que produz a maior descarga eléctrica gerada por um ser vivo

Afinal, existem três espécies de enguias-eléctricas, e não uma só, e uma delas consegue fazer descargas de 860 volts. Encontram-se na Amazónia, incluindo o Brasil, e noutros países da América do Sul

Fotogaleria
Espécie Electrophorus voltai no Rio Xingu, no escudo brasileiro L. Sousa
Fotogaleria
Vista aérea do rio Coppename, no Suriname, habitat das espécies Electrophorus electricus e Electrophorus voltai Carlos David de Santana

Até aqui pensava-se que existia apenas uma espécie de enguia-eléctrica, a Electrophorus electricus, e que se distribuía por toda a Amazónia. No entanto, um estudo publicado esta terça-feira na revista Nature Communications demonstra que existem três espécies e que se concentram em diferentes regiões da floresta tropical. A Electrophorus voltai, uma das espécies descobertas, é capaz de produzir uma descarga eléctrica que pode atingir os 860 volts, a maior descarga gerada por um ser vivo.

A espécie Electrophorus electricus encontra-se sobretudo no escudo das Guianas, um planalto que abrange o Sul da Venezuela, a Guiana, a Guiana Francesa, o Suriname e o Norte do Brasil. Já a Electrophorus voltai habita principalmente o escudo brasileiro, planalto situado um pouco mais a sul do escudo das Guianas. A outra espécie descoberta, a Electrophorus varii, aparece em maior número nas planícies da bacia hidrográfica do rio Amazonas.

PÚBLICO -
Foto
Espécie Electrophorus varii no Rio Negro, um dos maiores afluentes do rio Amazonas D. Bastos

“As mortes causadas por enguias-eléctricas em seres humanos são raras, devido aos baixos níveis de corrente (um ampere) e à curta duração [da descarga eléctrica]”, explica ao PÚBLICO Carlos David de Santana, cientista brasileiro do Museu Nacional de História Natural da Instituição Smithsonian, em Washington, e coordenador da investigação. “Ainda assim, o choque causa a contracção involuntária dos músculos e uma sensação de entorpecimento dolorosa, efeitos que podem ser comparados aos de um taser utilizado pelas autoridades”, completa Santana. A espécie E. voltai pode tornar-se mais perigosa quando, em algumas partes do ano, forma cardumes. “Se uma começa a descarregar, todas as outras o fazem em simultâneo.”

Em 1800, o naturalista alemão Alexander von Humboldt descreveu um ataque de enguias-eléctricas, que saltavam para atingir os cavalos da expedição, quando atravessavam um lago. Essa descrição era vista como uma lenda, até que em 2016 uma equipa norte-americana observou realmente este tipo de comportamento em laboratório e publicou os resultados na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

PÚBLICO -
Foto
Espécie Electrophorus electricus no escudo das Guianas R. Covain

Os investigadores recolheram 107 enguias-eléctricas ao longo dos últimos seis anos no Brasil, na Guiana Francesa, no Suriname e na Guiana. Foram feitas análises de ADN, da morfologia e da distribuição geográfica e medida a tensão da descarga eléctrica dos animais. Carlos David de Santana e a sua equipa descobriram diferenças na forma do crânio, nas barbatanas peitorais e no arranjo dos poros que cada espécie possui.

Evolução das espécies

A partir das comparações genéticas, os investigadores concluíram que os antepassados das enguias-eléctricas surgiram na América do Sul há cerca de dez milhões de anos. Há 7,1 milhões de anos começaram a evoluir dois grupos de enguias-eléctricas. Um desses grupos é o antepassado comum das espécies E. electricus e E. voltai e vivia em áreas de relevo mais elevado. O outro grupo é o antepassado da espécie E. varii e habitava zonas de planície.

PÚBLICO -
Foto
Carlos David de Santana E. Kauano

A divergência entre a E. electricus e a E. voltai terá começado aproximadamente há 3,6 milhões de anos, altura em que o curso do rio Amazonas adoptou o rumo actual e passou a fluir entre o escudo das Guianas e o planalto brasileiro. A elevada tensão eléctrica das descargas de ambas as espécies pode ser uma adaptação à baixa condutividade eléctrica dos afluentes do rio em regiões de relevo elevado. Em contrapartida, as águas que circulam nas planícies da Amazónia, onde vive a E. varii, contêm minerais que favorecem a condução da electricidade.

Carlos David de Santana, em comunicado da instituição onde trabalha, sublinha também que a sequenciação total do genoma das três espécies no futuro e a sua comparação poderá fornecer novas pistas sobre a origem das descargas eléctricas. Uma vez que as três espécies divergiram há milhões de anos, a electrogénese – produção de electricidade por meio dos tecidos vivos – das enguias pode ter evoluído de forma distinta. “É possível que tenha diferentes enzimas ou componentes que podem ser utilizadas na medicina ou servir de inspiração a novas tecnologias”, indica o investigador.

Preservar a biodiversidade

Existem na América Central e do Sul 250 espécies de peixe capazes de gerar choques eléctricos, que os utilizam para comunicar e navegar. As enguias-eléctricas, que também recorrem às descargas eléctricas para a comunicação e navegação, são os únicos que usam esse mecanismo para caçar e se defenderem. Podem atingir os 2,5 metros de comprimento.

A E. electricus foi descrita pela primeira vez em 1766, pelo naturalista sueco Carlos Lineu. “A identificação de duas espécies novas de enguias-eléctricas revela o quanto está por descobrir na floresta tropical da Amazónia”, destaca agora Carlos David de Santana.

Perguntámos-lhe como tem olhado para os incêndios brutais dos últimos tempos na Amazónia: “É desolador ver o que está a acontecer na Amazónia”, responde, destacando a importância de preservar a biodiversidade. “Temos de ter presente que ainda só descobrimos uma pequena porção de toda a biodiversidade (entre um e 10%). Queimar focos de biodiversidade como a Amazónia é como queimar uma biblioteca mundial sem saber 90% do conteúdo dos livros que contém.”

Texto editado por Teresa Firmino