Reportagem

O que ouve um governante no interior? Muitas portagens e poucos serviços públicos

Há uma peça do Governo longe de Lisboa desde Janeiro. O que mudou com a Secretaria de Estado da Valorização do Interior em Castelo Branco? Uma coisa é certa: recebe muito mais queixas

Foto

O percurso de carro entre a casa onde vive com a família, numa aldeia de Proença-a-Nova, e o palacete do século XVIII que lhe serve de gabinete, no centro de Castelo Branco, faz-se em cerca de 40 minutos. É este o trajecto que o secretário de Estado da Valorização do Interior, João Paulo Catarino, faz desde que se mudou para a Beira Baixa, por contraste com o caminho entre Linda-a-Velha, onde residia, e o Bairro Alto, em Lisboa, onde está instalado o Ministério da Economia. Apesar de a distância que tinha que percorrer na capital ser menor, por vezes, levava-lhe mais tempo, recorda.

João Paulo Catarino é o único secretário de Estado que trabalha fora de Lisboa. Instalou-se no início do ano no Palácio dos Viscondes de Portalegre, onde funcionava o Governo Civil. O objectivo desta mudança foi, “no fundo, mostrar que, se um membro pode governar a partir de Castelo Branco, qualquer instituição ou organismo o pode fazer também fora de Lisboa”, explica.

Audiências e audiências

“Portagens”, responde, mesmo sem que a pergunta tenha chegado ao fim. A questão era sobre as reivindicações que mais ouve nas audiências que lhe pedem. “É um custo de contexto que as pessoas do interior ainda sentem como muito significativo, apesar das reduções sucessivas que o Governo tem vindo a fazer”, afirma.

Outra das questões que mais ouve é sobre o encerramento de serviços públicos. “Julgo que é isso que este Governo conseguiu estancar e reforçar substancialmente”, apesar das situações dos CTT e da Caixa Geral de Depósitos, que criaram “a percepção em algumas pessoas de que alguns serviços públicos continuavam a fechar, o que não é verdade”. Os CTT começaram a reverter a política e a CGD mantém um balcão em todos os concelhos, sublinha.

Quem lhe pede audições é recebido em Castelo Branco mas, para as reuniões com outros membros do Executivo de António Costa, tem que se deslocar mais com frequência a Lisboa. Isto, apesar de terem também lugar no seu gabinete do interior. “Em termos funcionais, cria-nos sempre algumas questões. Exige mais disponibilidade porque passamos muito tempo na A23 e na A1”, diz.

No seu gabinete, trabalha gente de vários pontos: Castelo Branco, Lisboa e Proença-a-Nova, município ao qual presidiu entre 2005 e 2016. 

Principalmente nos primeiros tempos em que abriu as portas do gabinete na Praça do Município, teve audiências com presidentes de juntas de freguesia da zona, exemplifica, “que, à partida, teriam mais dificuldade se fosse em Lisboa”, explica. Ainda assim, salvaguarda que esta é “uma secretaria de Estado para o país e não para a região”.

João Paulo Catarino, que antes liderou a Unidade de Missão para a Valorização do Interior (UMVI), sabe que a perda de pessoas do território é um dos problemas mais complicados de resolver. Tanto que vive em Casal de Ordem, uma aldeia de 11 pessoas, cinco delas em sua casa (mulher e três filhos). Depois de décadas de tendência, é possível estancar o despovoamento? “Temos efectivamente regiões no país em que não vale a pena estarmos a iludir-nos”, menciona. E se o país “tem um problema demográfico, o interior tem um problema sério em termos de demografia e de índice de envelhecimento”. Dito isto, o secretário de Estado não tem problemas “em admitir que há muitas aldeias que terão muita dificuldade em, daqui a 30 ou 40 anos, terem alguém”. Por outro lado, apesar de este princípio não poder ser aplicado a todas, “há um conjunto significativo de aldeias que têm um potencial turístico enorme e podem ser por essa via valorizadas”. Essa é outra das conquistas que atribui a este Governo: “O facto de ter conseguido abrir o mapa turístico do país para além de Lisboa, Porto ou Algarve”.

A sala onde tem lugar a conversa com o PÚBLICO tem as janelas encostadas, o que ajuda a regular a temperatura no interior do edifício. Nesse dia, a temperatura passaria um pouco os 30 graus — nada de excepcional para o sufoco que o Verão albicastrense costuma impor. Entreabrindo uma das portadas, sobressai logo à direita o edifício da Câmara Municipal de Castelo Branco. Uma vizinhança que acaba por ser aproveitada, como explicaria mais tarde, por telefone, o presidente do município, Luís Correia. “Falo com ele permanentemente, seja em reuniões, seja em encontros formais”, refere o autarca. Para uma região que sofre das dores da interioridade, “ter uma pessoa que é o elo de ligação com o Governo” acaba por ser “muito importante”, sublinha.

O governante defende a proximidade da administração do território. Entende que o actual processo de descentralização acaba por ser um passo em direcção à regionalização. “Se conseguirmos provar que este modelo funciona, julgo que, depois, por via de um referendo, a regionalização se tornará mais ou menos inevitável”, considera.

A experiência de Santana

A ida do gabinete de Catarino para Castelo Branco encontra um precedente num governo de coligação PDS/CDS. Ao suceder a Durão Barroso, em 2004, o primeiro-ministro Pedro Santana Lopes anunciou, logo em Julho, que iria descentralizar seis secretarias de Estado para diferentes pontos do país: a da Juventude (Braga), da Administração Local (Coimbra), da Educação (Aveiro), da Agricultura (Golegã), dos Bens Culturais (Évora) e do Turismo (Faro).

“Não tinha força para fazer o que gostaria de ter feito”, explica ao PÚBLICO Santana Lopes, que é candidato a deputado pelo partido Aliança nestas eleições legislativas. A ideia inicial, diz, era transferir ministérios e os respectivos serviços para ter, de facto, impacto local. 

Com a dissolução do Parlamento por Jorge Sampaio e convocação de novas eleições, a experiência acabou por ser breve. “[A legislatura] terminou de forma tão tumultuosa que não deu tempo de fazer um balanço”, recorda. “Simbolicamente foi importante, mas o tempo foi curto e não permitiu criar raízes na maneira de pensar das pessoas”, avalia.

“Sinal político”

Se um efeito concreto com a instalação do gabinete do secretário de Estado do Interior em Castelo Branco é difícil de medir, João Paulo Catarino concede que, “acima de tudo, é um sinal político”. E acrescenta: “Achámos na altura que, sendo uma Secretaria de Estado para a Valorização do Interior, faria sentido contribuir com a localização para essa valorização”. Mesmo na orgânica governamental, refere, não houve grandes alterações na prática.

João Paulo Catarino destaca antes o “início de um caminho de diferenciação para o interior que nunca existiu verdadeiramente” em executivos anteriores. Desde a criação da UMVI ao desenho de um Plano Nacional de Coesão Territorial, o Governo começou a trabalhar em assimetrias que não serão “corrigidas numa legislatura nem em duas” e que ganharam novo destaque com as mortes e devastação causadas pelos incêndios de 2017. Há medidas iniciadas que, se se mantiverem, farão a diferença a prazo, defende. Da abertura de serviços públicos em regiões de baixa densidade, à transferência de vagas do ensino superior para o interior, a criação de novas empresas e de postos de trabalho. Também se começou a fazer caminho na cooperação luso-espanhola relativamente aos territórios da raia. “Acho que fiz aquilo que era possível fazer”.