Fazer dos oceanos uma arma contra as alterações climáticas

A utilização de energias renováveis, a redução da pegada de carbono nos transportes e as mudanças na alimentação poderiam fazer com que se conseguisse reduzir até quatro mil milhões de toneladas de dióxido de carbono até 2030. Este estudo reconhece o perigo que os oceanos enfrentam, mas garante que existem soluções que podem tirar partido das suas vantagens.

Foto
Nuno Ferreira Santos

Os oceanos estão mais quentes, mais ácidos, com menos oxigénio e com menos biodiversidade – são uma clara vítima das alterações climáticas, mas podem também ser “uma poderosa fonte de soluções”, refere um estudo divulgado esta quarta-feira na revista Science. Depois da apresentação do relatório do IPCC que traça um futuro negro para os oceanos, para a vida nele existente e para quem dele depende, este estudo traz alguma “esperança”. Há cinco áreas em destaque: a energia renovável, o transporte de mercadorias, a protecção e restauração dos ecossistemas marinhos e costeiros; as pescas, aquacultura e mudanças no regime alimentar e ainda o armazenamento de carbono no leito marinho. Quando se deve começar? O mais rapidamente possível.

Usadas em conjunto, estas acções poderiam resultar na redução de até quatro mil milhões de toneladas de dióxido de carbono (ou equivalentes) até 2030 e de 11 mil milhões até 2050 – contribuindo em 21% para se fazer cumprir o Acordo de Paris (que tenta limitar o aumento da temperatura global do planeta) e tornando-o mais “exequível”. Os investigadores consideram que é “urgente” reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.

O estudo refere que poucas nações criaram uma lista do que fazer no que toca a mitigar as alterações climáticas a partir dos oceanos. “Durante demasiado tempo, o oceano esteve ausente das discussões de medidas para reduzir as emissões de carbono”, lê-se no estudo. O PÚBLICO tentou contactar os investigadores para saber onde se situa Portugal nesta lista de acções, mas não obteve resposta.

“A propósito da ‘economia azul’, muitos países estão já a começar a identificar e implementar um conjunto de acções relacionadas com o oceano e focadas na criação de trabalhos e na produção de peixe e marisco”. Mas os cientistas dizem que uma “economia do oceano sustentável” pressupõe também atenção às alterações climáticas e estratégias para preservar os ecossistemas marinhos, o que não está ainda a acontecer.

A curto prazo, é importante que cada governo defina metas claras para as energias renováveis, nomeadamente as localizadas no mar ou nos oceanos. A longo prazo, os cientistas consideram provável que este tipo de tecnologias passe a ser desenvolvido em zonas de profundidade, “para ter acesso a zonas maiores de recursos energéticos conseguindo minimizar simultaneamente o impacto negativo na vida selvagem e nos ecossistemas”.

Outro dos objectivos é conseguir a “total descarbonização” do transporte marítimo – tanto de passageiros como de mercadorias. A longo prazo, pode optar-se por “pôr um preço no carbono”, tornando fácil a escolha de combustíveis amigos do ambiente.

Tal como o relatório do IPCC, o estudo da Science diz ser peremptório restaurar os ecossistemas costeiros que ajudam a reduzir as emissões poluentes – só que, para isso, é preciso investimento. No relatório apresentado esta quarta-feira, era referido que “quase 50% dos pântanos e zonas húmidas em zonas costeiras desapareceram nos últimos 100 anos, como resultado da pressão humana, da subida da água do mar, do aquecimento e de eventos climáticos extremos”.

Mais algas, menos metano. Mais peixe, menos carne

Uma das conclusões mais interessantes está relacionada com as algas: “Os produtos feitos a partir de algas marinhas podem substituir produtos com uma pegada mais elevada de CO2, evitando-se emissões em campos como o da alimentação, das pastagens, dos fertilizantes, medicamentos, biocombustíveis e bioplásticos”, refere o estudo. Quando aplicadas nos regimes alimentares de animais ruminantes (sobretudo ovelhas e bovinos), estas algas marinhas podem ser importantes para reduzir as emissões de metano. “As experiências in vitro mostram que a alga Asparagopsis taxiformis consegue reduzir as emissões de metano em ruminantes até 99% quando fazem apenas parte de 2% da sua alimentação”. Noutras espécies, a redução das emissões de metano após o consumo desta alga varia entre os 33% e os 50%.

O estudo da Science dá conta de que a proteína consumida por humanos vinda do mar tem “uma pegada de carbono substancialmente mais pequena do que a proteína proveniente de animais em contexto terrestre, sobretudo ruminantes”. Uma das formas propostas de se reduzirem as emissões é tornando a pesca mais sustentável e alterando-se os regimes alimentares, optando-se por comer mais peixe e marisco, por exemplo.

A última solução apontada pelos cientistas é aquela que não só é mais difícil de aplicar como leva mais tempo: falamos do armazenamento de carbono no leito marinho, usando-se tecnologia que tenha um impacto quase nulo nos ecossistemas dos mares. Estas acções oferecem “um aumento da esperança de se conseguir atingir a meta de 1,5 ºC [do Acordo de Paris], dando ao mesmo tempo resposta a outros desafios sociais, como o desenvolvimento económico, a segurança alimentar, e a resiliência das comunidades costeiras.”