Crónica

Uma pedra sobre o assunto

Se o estado do tempo na política for para votar, votemos então e ponha-se uma pedra sobre o assunto.

Foto
Álvaro Domingues

Não usarei a palavra pós-democracia para designar uma democracia tristemente confrontada com as suas esperanças ou alegremente aliviada das suas ilusões. Não buscarei aí a definição de um conceito para a democracia em tempos de pós-modernidade. Esta palavra servirá simplesmente para designar o paradoxo de, invocando o conceito de democracia, validar a prática consensual do apagamento das formas da acção democráticas. [1]