Crítica

As causas perdidas

As boas intenções de Eva Husson não chegam para salvar As Filhas do Sol do didactismo bem-pensante.

,Festival de Cannes de 2018
Fotogaleria
As Filhas do Sol: indigesto e previsível
Meninas do Sol
Fotogaleria
,Festival de Cinema de Cannes
Fotogaleria
,Didar Domehri
Fotogaleria
,Meninas do Sol
Fotogaleria
,Festival de Cinema de Cannes
Fotogaleria

“As pessoas compram promessas, sonhos, e estão dispostas a tudo para não terem de ver esta merda,” diz às tantas a jornalista francesa que acompanha um batalhão de mulheres combatentes. O dilema de Mathilde (Emmanuelle Bercot) é esse: de que serve querer contar a verdade àqueles que não querem saber dela? Percebe-se que terá sido esse o desejo da francesa Eva Husson na sua segunda longa: arranjar uma maneira de interessar as pessoas na verdade, com uma ficção livremente inspirada em factos e personagens reais, no caso os batalhões femininos curdos compostos por mulheres que foram escravas do Estado Islâmico e que, em 2015, o combateram no Curdistão iraquiano.