Crítica

Deixa estar, Jake, é Brooklyn

Um filme negro “à antiga” que fala do e ao nosso tempo sobre os becos sem saída do sonho americano.

,Lionel Essrog
Fotogaleria
Os Órfãos de Brooklyn: um filme tão notável como frustrante
Fotogaleria
,Motherless Brooklyn
Fotogaleria
,Lionel Essrog
Fotogaleria
Fotogaleria
,Edward Norton
Fotogaleria

Troquemos Los Angeles por Nova Iorque, Chinatown por Brooklyn, e faz todo o sentido “adaptar” a célebre última linha do filme de 1974 de Roman Polanski: “Deixa estar, Jake, é Brooklyn.” Ainda por cima, a personagem de Os Órfãos de Brooklyn passa metade do filme a dizer que se chama Jake — embora se chame Lionel, ou Brooklyn como o chefe que morre logo ao princípio sempre lhe chamou. Não é grande spoiler dizer que chegamos ao fim deste filme negro situado na Nova Iorque dos anos 1950 com o combate de David contra Golias reposto na estaca zero, a sensação de que se ganhou uma batalha mas se perdeu a guerra. É um desânimo que sempre esteve inscrito no código genético dos melhores filmes negros, quando o género ainda não tinha nome e filmes como Pagos a Dobrar ou O Carteiro Toca Sempre Duas Vezes sublinhavam o beco sem saída do sonho americano.