Farfetch: contas melhores do que o esperado levam acções a subir 18%

Perdas após impostos duplicaram em 2019. Mas excluindo amortizações e pagamento com acções, os resultados levam investidores a acreditar na plataforma de artigos de luxo.

moda
Foto
Pedro Nunes/Reuters

O ano de 2019 foi “um ano de referência” para a Farfetch, garante o fundador da plataforma de artigos de luxo, José Neves. As contas de 2019, reveladas nesta quinta-feira à tarde em Nova Iorque (noite em Portugal) mostram que os prejuízos após impostos duplicaram face ao ano precedente, mas esse desempenho é largamente influenciado por amortizações e pagamentos em acções aos funcionários. 

São duas linhas contabilísticas que representam quase 73% do prejuízo de 373.688 milhões de dólares registado na contabilidade: 158,4 milhões de remunerações em acções; e os restantes 113,6 milhões de amortizações e depreciações. 

Excluindo-as do EBITDA ajustado, por não terem a ver com as operações “core” da empresa, as perdas são muito menos significativas. E, mais importante ainda, traduzem uma desaceleração no crescimento dos prejuízos face a 2018.

Basta ver que de 2017 para 2018, o EBITDA ajustado (isto é os prejuízos após impostos deduzidos de amortizações, depreciações, impostos, juros e pagamento em acções) já era negativo, tal como agora, mas aumentou 65,22%. Já de 2018 para 2019, este indicador aumentou “apenas” 26,49%. 

PÚBLICO -
Foto
FErnan

É por isso que a reacção em Wall Street foi positiva, apesar de o resultado líquido do exercício ter sido tão negativo, influenciado por efeitos especiais. E é por isso que José Neves e o responsável financeiro Elliot Jordan, puderam classificar 2019 como um ano de referência, elogiando a Farfetch como uma empresa com uma eficiência crescente.

Enquanto os dois defendiam as contas do quarto trimestre e as contas finais de 2019, a cotação subiu em flecha no after-hours, isto é, nas ordens dadas já depois do encerramento da bolsa nova-iorquina. No fecho de Wall Street (às 16h locais), a cotação estava nos 9,54 dólares. Hora e meia depois, tinha subido 18,4%, para os 11,30 dólares.

Um salto que mostra que houve investidores agradados com as contas melhores do que esperavam, mas que, ainda assim, não é suficiente para chegar sequer perto da cotação de há precisamente um ano, nos 24,50 dólares. Não obstante, os responsáveis da empresa acreditam que, mantendo esta trajectória, será possível cumprir o objectivo de atingir em dois anos o breakeven (o ponto em que as receitas igualam as despesas).

Facturação e receita recorde

Havia alguma expectativa nestas contas, por diversas razões. Em primeiro lugar, seria o primeiro ano completo após a entrada da empresa na bolsa de Wall Street. Em segundo lugar, porque foi um ano de muitos gastos: a aquisição do New Guards Group, em Agosto, custou 675 milhões de dólares, em troca do controlo de um grupo italiano que detém duas mãos cheias de marcas de luxo. A liquidez tinha sido reforçada com um empréstimo obrigacionista de 250 milhões de dólares, contraído junto de financiadores americanos e chineses, mas havia a curiosidade sobre o desempenho operacional e a capacidade de a Farfetch passar a gerir um universo mais alargado de subsidiárias, nas quais já se incluía a Stadium Goods, retalhista de calçado desportivo sui generis, comprado por 220 milhões de dólares, em Dezembro de 2018, mas cuja transacção foi registada nas contas de 2019.

E os números não parecem ter desiludido investidores e analistas. Pela primeira vez, a facturação total superou os 2000 milhões de dólares, as receitas da Farfetch bateram a fasquia dos mil milhões e o resultado bruto foi de 459 milhões, com uma margem bruta de 45%. A facturação cresceu assim 52% face a 2018, as receitas cresceram 68% e quebra de 4,5 pontos percentuais na margem bruta foi a única nota negativa neste aspecto.

Para tal terá contribuído uma subida em flecha do custo das vendas, que aumentaram quase 85%. Também os custos gerais e administrativos subiram para quase o dobro, o que, tudo somado, resulta no tal resultado líquido negativo de 373.688 milhões de dólares. Claro que a empresa cresceu, multiplicando em 12 meses o activo por 1,6, o endividamento aumentou quatro vezes, mas o crescimento do activo continua a ser suportado na sua maioria pelo capital próprio.

“Batemos as nossas próprias expectativas”, anotou José Neves, durante a chamada em conferência em que desfiou os números de 2019. “Somos o maior vendedor de luxo no mundo. E continuamos a ver grandes oportunidades de crescimento”, referiu.

Coronavírus "sem impacto material"

Quanto ao futuro, a empresa vê a epidemia do coronavírus como um risco e admite que a doença cria “incertezas” que podem ter impacto no negócio, até por causa da aposta na China, que continua a ser o segundo maior mercado da Farfetch. Mas, por agora, a empresa diz que “não sentiu qualquer impacto material negativo” que possa ser atribuído à epidemia.

Ainda assim, as projecções para 2020 ficam abaixo do crescimento real verificado em 2019. Isto apesar de, segundo José Neves, o tráfego na plataforma ter vindo a crescer na China mais do que no resto do mundo. Algo que, segundo o CEO da Farfetch pode ter a ver com um maior recurso ao comércio online por parte de clientes que estão impedidos de se deslocar ou querem evitar deslocações potencialmente arriscadas.

Digno de nota, ainda, o facto de a startup adquirida pela Farfetch em 2017, a Fashion Concierge, ter fechado um negócio de venda de joalharia e relógios de luxo por um valor estratosférico. Trata-se de uma venda que superou um milhão de dólares, a um único cliente privado, o que constitui um marco, um recorde mundial, da venda online mais cara no mundo do luxo. A transacção foi registada em Janeiro, e por isso não entra nas contas de 2019, mas a Farfetch guardou a revelação deste recorde para agora, colocando-o no lote das boas notícias que impressionaram alguns analistas e investidores de Wall Street.

Sugerir correcção