Sismo de 5,3 na escala de Richter registado na Madeira. Vídeo mostra como abalo foi sentido

O abalo foi registado pelas 20h58 e, de acordo com a informação disponível, este sismo foi sentido em toda a ilha.

Foto

Um sismo de magnitude 5,3 na escala de Richter, com epicentro a cerca de 40 quilómetros a Sudoeste da Deserta Grande, abalou este sábado a Madeira. Foi sentido pela população, que em muitos casos saiu à rua, mas não causou vítimas ou danos materiais.

O abalo foi registado pelas 20h58 e foi sentido em toda a ilha da Madeira, com milhares de pessoas a abandonarem as casas com receio de réplicas, aguardando na rua por mais informações. “Foi sentido com intensidade máxima IV/V, na escola de Mercalli, na região de São Martinho, no Funchal”, especifica o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) em comunicado.

Um vídeo partilhado pelo Diário de Notícias da Madeira mostra como o sismo foi sentido também na costa norte da ilha: o momento em que o abalo atingiu a Igreja Matriz de São Vicente, onde decorria um concerto, ficou registado em vídeo.

Segundo o Serviço Regional de Protecção Civil, contactado pelo PÚBLICO, não há, para já, registo de danos nem vítimas. “Este sismo, de acordo com a informação disponível até ao momento, não causou danos pessoais ou materiais”, refere também o IPMA.

O sismo, cuja intensidade não há memória recente no arquipélago, gerou alguma apreensão, principalmente porque a actividade sísmica desta intensidade não é habitual na Madeira.

O epicentro foi a cerca de 50 quilómetros a Sul do Funchal, e o abalo, que durou poucos segundos, sentiu-se principalmente nos os vidros das janelas a abanar, num ruído intenso e abafado, no nervosismo dos animais e nas estruturas de edifícios de apartamentos. Mais do que o suficiente para colocar as pessoas em sobressalto.

Depressa, as redes sociais encheram-se de comentários e interrogações, e as comunicações móveis ficaram congestionadas, tal o número de telefonemas de quem queria saber como estavam familiares e amigos.

Há relatos de alguns objectos caídos dentro de casas, e de locais públicos evacuados, como igrejas e centros comerciais. Mas a calma imperou.

O último grande sismo no arquipélago aconteceu em Maio de 1975, provocando danos em algumas residências.

O Presidente da República, confirmou ao PÚBLICO junto do executivo madeirense, telefonou já ao presidente do governo regional, Miguel Albuquerque, para inteirar-se da situação.

Sensivelmente meia hora depois do primeiro sismo, um pouco mais próximo da costa, mas com uma intensidade bastante menor (2,4 na escala de Richter), um novo abalo registado pelo IPMA passou despercebido da população.

Sugerir correcção