Crónica

Podem parar de romantizar a pandemia?

Vão lá fazer esta conversa de que devemos estar gratos por esta experiência a quem não vai dormir a casa por medo de contaminar os filhos e que, todos os dias, se apresenta na linha da frente de combate.

,Coronavírus
Foto
Hospital em Cremona, em Itália Reuters/FLAVIO LO SCALZO

Acabei de ler mais um daqueles textos virais nas redes sociais que juntam na mesma frase palavras como “covid-19” e “gratidão” e confesso que estou, neste exacto momento, a martelar em fúria as teclas do computador. Já dei dezenas de voltas à cabeça e continuo sem conseguir perceber como é que alguém pode achar que devemos estar gratos por estar a viver uma situação de pandemia que nos obriga a medidas de isolamento social extremas.

É assim tão difícil as pessoas perceberem que esta não é uma “incrível experiência de amor” ou que estamos muito longe de “ver o mundo a, finalmente, meter tudo no lugar”? Mal está quem precisa de um vírus com esta taxa de letalidade para aprender a amar seja o que for… A infecção por covid-19, para a esmagadora maioria da população, é uma experiência essencialmente de medo e há milhares de pessoas a braços com uma terrível e angustiante ansiedade. E não, o mundo não está a meter nada no lugar quando há cidades italianas onde os mortos são tantos que os caixões têm de ser recolhidos em camiões do exército. É verdade que a poluição atmosférica diminuiu e que os canais de Veneza estão mais limpos mas, pergunto eu, a que custo?

Pensarão estas pessoas que, enquanto estão no conforto das suas casas a procurar palavras caras para grandes e profundos pensamentos que romantizam o vírus, há profissionais de saúde que apenas podem comer e fazer as necessidades básicas uma vez por cada turno de 12 horas? E não falo de Espanha nem de Itália, falo de Portugal. Falo dos meus colegas que, em alguns hospitais deste país, já acabam os turnos com zonas de pressão no nariz e na testa devido ao número de horas que passam com os equipamentos de protecção individual colocados. Vão lá fazer esta conversa de que devemos estar gratos por esta experiência a quem não vai dormir a casa por medo de contaminar os filhos e que, todos os dias, se apresenta na linha da frente de combate. Eles terão, com certeza, muito para vos dizer a esse respeito.

A minha irmã é médica no norte de Itália e há dois dias que não responde às mensagens. Não sabemos se está a trabalhar, se está a descansar ou até se foi infectada. Mas depois lemos que devemos agarrar esta oportunidade para olhar para dentro e crescer… Como é que se olha para dentro numa altura destas é coisa que não faço ideia, confesso desde já. Pessoalmente só tenho olhado para fora, para lá dos muros do meu quintal, para lá das fronteiras do meu país. E tenho medo do que vejo e daquilo que ainda vou ver. Mesmo sem perceber nada de economia tenho medo do que aí vem, tenho medo do aumento do número de desempregados, tenho medo dos pequenos empresários que vão levar a estocada final com esta pandemia que outros parecem querer fazer-nos acreditar que chegou para bem da humanidade.

Neste momento deposito todas as minhas esperanças na ciência porque é dela, e só dela, que podemos esperar soluções. Há centenas de cientistas a trabalhar numa vacina, todos os dias novos fármacos são testados… A solução chegará. Mas, acreditem que não vem na cauda de um unicórnio nem nas palavras bonitas da actriz que acha que a pandemia é a altura ideal para alinharmos os chakras.

O arco-íris virá
Eu tenho medo. E acredito que a maioria das pessoas também. É verdade que temos visto exemplos incríveis de solidariedade, é verdade que têm existido gestos bonitos… Mas teria sido óptimo que nada disto chegasse às custas de um vírus que já leva, no momento em que escrevo estas palavras, mais de 11.500 mortos consigo.

Não há nada de belo numa pandemia, não há nada de belo naquilo que tem vindo a acontecer dentro dos hospitais, não há nada de belo no medo e na ansiedade que sentimos e que tentamos não passar aos nossos filhos. Eu percebo a necessidade humana de conforto, percebo que a romantização seja uma forma de ajudar alguns a ultrapassar esta fase. Ainda assim, a mim, parece-me inaceitável que se tente dourar uma catástrofe desta dimensão.

Acredito que venceremos e que o mundo, tal como o conhecemos, vai mudar para melhor depois de este pesadelo acabar. Mas agora, enquanto ainda estamos imersos nele, vamos viver um dia de cada vez. Vamos gerir a nossa ansiedade, controlar os nossos medos, chorar os nossos mortos, cumprir todas as indicações que nos forem dadas pelas autoridades competentes. O arco-íris virá. Depois.

Sugerir correcção