Opinião

Cartas ao director

Pandemia

Vivemos enfraquecidos e aterrorizados. A expectativa de saber se o pior já passou ou se ainda está para vir é o que nos faz tremer de apreensão. Aceitamos as coisas com a resignação de quem entende que, provavelmente, não haverá meios suficientes para suster esta epidemia. Estar preso, preventivamente, é contrário a tudo o que nos foi ensinado.

O sucesso dos dias é irrevelante. Antes assinalávamos no calendário os dias que faltavam para um acontecimento importante. Agora vamos anotando os dias de clausura a que estamos sujeitos e temos de reunir as forças de vida que nos ligam. Dar valor à vida é cada vez mais importante.

Diamantino Reis, Portimão 

Em tempo de “guerra"<_o3a_p>

Em tempo de guerra, seja de que tipo for, antes dos hotéis, todos os hospitais privados devem ser civilmente requisitados, pois estes últimos é que têm toda a logística para o socorro dos doentes infectados, bem como daqueles que necessitem de protecção, como o que hoje se vive com a pandemia de covid-19. Não há tempo a perder, o Governo que faça de imediato tal patriótica requisição civil.

<_o3a_p>

José Amaral, Vila Nova de Gaia

<_o3a_p>

#thisismyeurope

Sejamos claros, os Estados nunca foram europeus nem solidários. A Europa sempre foi burocrática. A Europa é uma invenção de salvaguarda dos grandes capitalistas milionários. Business as usual. Nos recentes encontros de líderes europeus, era notável o medo, a insegurança, a indiferença uns pelos outros. Naquelas cabeças políticas não estava a segurança e a vida dos povos, estavam as contas. Os spreads, os créditos, os bancos, as percentagens. Esta gente não larga a obsessão pela economia e pela finança, esquecendo o social e o político. Nem as instituições americanas em tempo de Trump fizeram tão péssima figura! Os românticos europeus democratas e federalistas podem perder as esperanças de uma nova Europa renascida, porque depois do colapso dos Estados políticos, o caminho que vem aí, é o dos populistas à escala europeia. . Fizeram mais pela união dos povos as low cost, do que a UE. Aliás a demonstração do povo português (e tenho a certeza de que outros povos também) em solidariedade com os italianos é bem visível da verdadeira Europa. A minha Europa sempre foi grega e agora é italiana e espanhola. A Europa deles, nunca chegou a ser…

Cláudio Borges, Lisboa

Apoio aos pais nas férias da Páscoa 

Estas férias da Páscoa  são diferentes. Os alunos não podem ficar durante o dia com os avós e por este facto o governo não pode nem deve suspender o apoio aos pais. Se é verdade que a data das férias da Páscoa era conhecida há  muito, é também verdade e bem mais forte que estas férias da Páscoa não são férias normais. António Costa tem de perceber isto e consequentemente não pode retirar o auxilio aos pais nesse período pois isso seria criminoso.

Manuel Morato Gomes, Senhora da Hora