Que automóveis conduzíamos em 1974?

Parcos na potência, mas já esbanjadores em estilo — pelo menos alguns. Eis alguns icónicos modelos que circulavam pelas estradas nacionais por altura da revolução dos cravos.

Fiat 127
Foto
Fiat 127 DR

Cerca de um mês antes do dia D, um Fiat 124 Abarth Rallye vencia o 8.º Rallye Internacional TAP, a prova inaugural do circuito mundial de ralis (WRC, na sigla original) desse ano, que decorreu entre os dias 20 e 23 de Março.

O vencedor foi também um eco de como a marca italiana se encontrava bem posicionada: em Portugal, por exemplo, era o emblema que mais vendia, tendo como estrela da companhia o Fiat 127, o supermini, nascido em 1971, que viria a conquistar o lugar de campeão de vendas em toda a Europa no ano seguinte.

Com um preço em torno dos 75 contos (cerca de 375 euros; hoje, por curiosidade, um modelo bem preservado vale, à vontade, 2000 euros), o Fiat 127 estava em linha com os valores de outros pequenos carros, como o Citroën Dyane ou o Mini 1000 (não o Mini de agora, mas o original). Porém, era o que se apresentava com mais potência — 47cv contra 32cv e 40cv — e que reclamava uma velocidade máxima superior.

Hoje, a gama da Fiat já não inclui nenhum 127, mas a marca que, em 1974, mais vendia em segundo lugar permanece com o modelo de sucesso nas estradas. Foi o Corolla, cuja identidade regressou em força à Europa há um ano e que este Março foi Carro do Ano nacional, que colocou a Toyota na segunda posição do ranking de vendas. A terceira geração, com formas menos quadradas, foi precisamente lançada em Abril de 1974, mas eram os modelos da segunda geração que dominavam as estradas nacionais por altura da revolução.

E, para os que viveram os dias atribulados de Abril, é difícil esquecer o Carocha, embaixador da Volkswagen, enquanto o Golf não chegava — seria introduzido nesse mesmo ano, com uns valentes 60cv e uma velocidade máxima de quase 150 km/h, para competir com alguns dos familiares mais bem-sucedidos.

Mas não foi só o Carocha que desapareceu (este, por acaso, até renasceu mais tarde, sob uma nova embalagem — a última despedida ocorreu em Julho 2019, quando a última das unidades da série Final Edition saiu da linha de produção directamente para o museu da marca). Outros automóveis populares em 1974 acabariam por ser descontinuados. Caso dos atraentes Talbot Simca, Datsun 120Y ou do versátil Peugeot 304, que incluía uma carroçaria Break.

Também deixariam saudades o Ford Escort, produto americano made in Europa, que combinava boas prestações com uma construção exigente, supervisionada pela secção anglogermânica da Ford. Ou o francês Renault 4L, cuja resistência ainda pode ser, de vez em quando, comprovada, quando nos cruzamos com um exemplar nas estradas.

Desapareceram igualmente outros de que apenas os mais nostálgicos sentirão saudades. Exemplo do Morris Marina que surge várias vezes nas listas dos automóveis mais feios de sempre e cujo início de vida não foi o mais feliz. Fruto da pressão de ter o carro na estrada, houve várias unidades com erros na montagem das suspensões, nomeadamente as que foram parar aos parques de imprensa. E, entre outros episódios, os jornalistas da influente revista especializada Autocar acabaram por ir parar ao lado errado da estrada, após uma curva apertada…

O que era sempre um risco: o airbag ainda não tinha sido inventado (o sistema foi apresentado ao mundo pela primeira vez no Salão do Automóvel de Frankfurt, na Alemanha, em 1987) e o cinto de três pontos, desenvolvido por Nils Ivar Bohlin para a Volvo e apresentado em 1959, já existia em muitos modelos, nos bancos dianteiros, mas a sua utilização não era obrigatória (em Portugal, a obrigação de colocar o sistema de retenção foi determinada em 1994).

A segurança rodoviária era, aliás, apenas possível pelo facto de a grande maioria dos carros não apresentar potências superiores a 50cv — o que viria a mudar e muito rapidamente.

Correcção: por lapso entre o valor actual em euros e o preço de venda em escudos em 1974, o preço do Fiat 127 estava incorrecto –onde se referia inicialmente 200 contos, corrigiu-se par 75 contos.

Sugerir correcção