IndieLisboa 2020: um festival físico, não digital, anuncia a sua programação

Edição deste ano decorrerá de 25 de Agosto a 5 de Setembro, para proporcionar uma “experiência física e colectiva” dos filmes, “se possível com convidados” e com debates que exponenciem a experiência dos espectadores nas salas: São Jorge, Culturgest, Cinema Ideal e Cinemateca Portuguesa.

,Grande Prêmio de Cannes
Fotogaleria
Atlantique, de Mati Diop, cineasta em foco na secção Silvestre
Fotogaleria
State Funeral, de Sergei Loznitsa
,Cinema da África
Fotogaleria
Ousmane Sembène fotografado no início da década de 1990 MICHEL RENAUDEAU/GETTY IMAGES
,Joana D'Arc
Fotogaleria
Jeanne, musical de Bruno Dumont
,Marco Dutra
Fotogaleria
O brasileiro Todos os Mortos, de Caetano Gotardo e Marco Dutra

No dia em que era suposto começar a 17.ª edição do IndieLisboa, esta quinta-feira, com a habitual cerimónia de abertura no Cinema São Jorge, o festival veio apresentar, num gesto simbólico, grande parte da programação da edição 2020, Aquela que, em virtude da pandemia global, foi adiada para o final do Verão: de 25 de Agosto a 5 de Setembro, nas salas habituais, isto é, São Jorge, Culturgest, Cinema Ideal e Cinemateca Portuguesa.

Num momento em que os festivais de cinema se dividem, e alguns até se contradizem, sobre como existir em 2020  uns cedendo ao formato digital, outros assumindo que, não sendo possível existir da forma como os conhecíamos nem sendo possível adiar, mais vale cancelar , Mafalda Melo, da direcção do Indie, reafirma que esta edição quer proporcionar uma “experiência física e colectiva” dos filmes, num festival “se possível com convidados” e com debates que exponenciem o pacto dos espectadores em sala. Mesmo que se trate de espectadores preparados para observar medidas de segurança; mesmo que em salas menos povoadas; mesmo que o mundo nos continue a parecer um local vigiado.

Tendo o programa sido delineado antes da entrada em cena da covid-19, Mafalda Melo enfatiza no entanto que a particularidade desta edição, as suas coincidências e a coesão que diz existir entre as diferentes secções (por exemplo “entre os filmes recentes e as retrospectivas” de cineastas e momentos do passado), se verá reforçada à luz do que nos acontece agora. Com o foco e a atenção que saberemos conquistar neste estado de suspensão, argumenta, estaremos mais receptivos ao vigor revolucionário e anti-colonialista, às personagens e às histórias que lutaram contra a invisibilidade, e que constituem uma das coerências desta edição. “São filmes que foram revolucionários na sua época, que nos trazem ecos da História e do cinema” e “ver estas vozes negras em contexto de pandemia, contexto esse em que percebemos quem são os pobres e os ricos no mundo, constatamos que a História é a mesma” e valorizamos de outra forma o impulso revolucionário, continua a directora do festival.

Mafalda Melo refere então essa linha que “aproxima culturas e dá voz a movimentos que vêm marcando a História”: é a linha que se pode traçar entre as retrospectivas da obra do senegalês Ousmane Sembène (feminismo, luta de classes, a brutalidade do colonialismo, contraponto à visão europeia da produção cinematográfica e do mundo), da celebração dos 50 anos da secção Fórum do Festival de Berlim, com alguns dos títulos exibidos na primeira edição, de 1971 (reacção à política dos tempos abordando as lutas anti-coloniais, os direitos das mulheres e LGBTQ), e, na secção Silvestre, o foco sobre a franco-senegalesa Mati Diop, que a edição 2019 de Cannes consagrou com o Grande Prémio do Júri (a Atlantique, primeira longa-metragem). Para além deste épanouissement de uma cineasta de 37 anos, o desabrochar do seu lirismo que poderá finalmente ser sentido em sala, porque até aqui tem sido um exclusivo Netflix, serão mostradas as curtas Liberian Boy, Mille Soleils (que venceu em 2013 a competição internacional de curtas e era uma homenagem a Touki Bouki do seu tio Djibril Diop Mambéty, cineasta senegalês), Big in Vietnam e Snow Canon.

Do Senegal à União Soviética

Entre as novidades que o IndieLisboa anunciou esta quinta-feira está a Competição Internacional, este ano composta por 12 longas e 31 curtas, com títulos como Baamum Nafi/Nafi's father, do senegalês Mamadou Dia, e Eyimofe/This Is My Desire, da dupla nigeriana Arie Esiri e Chuko Esiri, que confirmam a forte presença africana. Também no concurso principal estarão os espanhóis Luis López Carrasco (El Anõ del Descubrimiento), sobre a EXPO'92 e a outra Espanha que não era visível nesta exposição, e Lois Patiño (Lúa Vermella); a argentina Jazmin Lopez (Si yo fuera el invierno mismo), num filme com direcção de fotografia do português Rui Poças; ou ainda L'Île aux oiseaux, de Maya Kosa/Sergio da Costa, a dupla luso-suíça autora do belíssimo Rio Corgo, que venceu em 2015 a competição nacional do Doclisboa.

Na secção Silvestre, estão entre os 17 seleccionados filmes de Matías Piñeiro, Bruno Dumont (Jeanne, a continuação da experiência com o musical e com a personagem de Joana D'Arc, depois de Jeanette, l'Enfance de Jeanne D'Arc), Days, de Tsai Ming-liang, Uppercase Print, de Radu Jude, o brasileiro Todos os Mortos, de Caetano Gotardo/Marco Dutra, que confronta a memória da colonização e da escravatura, ou State Funeral, de Sergei Loznitsa, deslumbrante devolução à vida das imagens e dos sons a que o bielorusso teve acesso, a partir dos arquivos da ex-URSS, das cerimónias fúnebres de Estaline que tiveram lugar entre os dias 6 de 9 de Março de 1953  600 caixas de filme, entre 30 a 35 horas que vários operadores de câmara registaram por todo o território soviético, nas fábricas e nas ruas. State Funeral aproxima-nos dos rostos e dos gestos, da dor e da histeria quer da massa colectiva, quer dos seus líderes. A preto e branco e a cores, isso por vezes “acontecendo” dentro de uma mesma sequência, espraiando-se por planos captados por diferentes operadores e de ângulos diferentes – o que faz surgir pequenos espectáculos de laboriosa harmonização, resultado de um trabalho épico de pesquisa. 

A programação completa do IndieLisboa 2020 estará disponível, a partir do final de Julho, no site https://indielisboa.com e na aplicação do festival: serão então revelados os filmes da Competição Nacional, da secção Novíssimos e das Sessões Especiais.