Música

Depois da tempestade, para Pedro e os Lobos é hora de dançar ao luar com os amigos

Dez anos após a sua fundação em Almada, Pedro e os Lobos, projecto a solo de Pedro Galhoz, chegou em 2020 ao seu quarto álbum, Depois da Tempestade. Antecipado por um videoclipe em 2019, Corro com o vento (o segundo dos nove temas do álbum), tem esta sexta-feira novo single e videoclipe, Dançar ao luar, que o músico explica como soando a uma balada country-folk, “em que as guitarras têm um toque de blues” e onde, pela sugestão dos coros e do som do órgão Hammond, há também um ambiente gospel. Quanto à letra, de sua autoria (como todas as composições do disco, exceptuando Dias dourados, uma parceria com Nelson Correia), há influências assumidas: “No que refere aos textos, sempre gostei muito da escrita do Jorge Palma e do Sérgio Godinho, a poesia de Carlos Ary dos Santos, Alexandre O’Neill têm provavelmente as coisas mais belas que já li e são uma grande influência, pois são espíritos livres e cheios de inquietação.”

O videoclipe que agora se apresenta, gravado durante o período de confinamento, conta com a participação de músicos amigos da banda, como Maria João, Tó Trips ou Viviane, entre outros, dos vários que desde o início têm participado nos discos deste projecto: Pedro e os Lobos (2011), Um Mundo Quase Perfeito (2014), Este Chão Que Pisamos (2016) e agora Depois da Tempestade (2020), que se diz “musicalmente inspirado pelos grandes clássicos americanos, que vão de Bruce Springsteen a Bob Dylan, R.E.M. ou Neil Young.” Para além de Pedro Galhoz (guitarras e voz), o disco conta com Nelson Correia (voz), João Monteiro (baixo e voz) Rui Freire (bateria, percussão e voz) Rui Almeida (órgão Hammond, Piano e Fender Rhodes). “Voltámos a acreditar que somos os putos lá da rua e que vamos fazer música para os amigos!”, assim se apresentou o disco Depois da Tempestade, em Janeiro. Agora, Dançar ao luar renova essa euforia.

Sugerir correcção