A energia da ZDB à solta nos jardins da Gulbenkian

Em tempo de desafios e constrangimentos à fruição artística, concertos, instalações e performances instalam-se no habitual Jardim de Verão da fundação. A partir desta sexta-feira, e por três semanas, haverá programação com o selo da associação sediada no Bairro Alto.

norberto-lobo,orquestra-gulbenkian,fundacao-calouste-gulbenkian,artes,culturaipsilon,musica,
Foto
O auditório ao ar livre, com lotação reduzida a 350 lugares, vai ser um dos palcos desta programação que mobilizou vários artistas miguel manso

Foi no final do ano passado que o convite surgiu. Pela primeira vez, a Fundação Calouste Gulbenkian procurava uma entidade exterior para comissariar o seu habitual programa fora de portas da época estival, Jardim de Verão, e a escolha recaiu sobre a Zé dos Bois (ZDB). “Depois de muito pensarmos, chegou-se à conclusão de que, em vez de escolher apenas um programador de uma área, fazia sentido encontrar alguém, ou alguma estrutura, que tivesse abrangência, e foi aí que surgiu o nome da ZDB”, diz-nos a directora-adjunta da Fundação Gulbenkian, Maria Helena Borges.