NGT Sport, um novo ponto de partida para as scooters eléctricas

As baterias que se podem carregar em casa, a velocidade máxima e a autonomia são argumentos de peso. Mas o que faz desta scooter um modelo especial é o pacote tecnológico disponível no telemóvel.

Foto
Daniel Rocha

Que “o futuro é eléctrico” já restam poucas dúvidas, mas o sector dos transportes não roda todo à mesma velocidade. Se os automóveis — dos híbridos aos totalmente movidos a electricidade — já levam bom caminho no que toca à diversidade (preço, performance, luxo), o mesmo não se pode dizer dos veículos de duas rodas.

Ao contrário dos carros, a maioria das grandes marcas de motociclos tarda em apostar no formato e o grande entrave parecem ser as baterias, ainda demasiado volumosas para permitir construir motos de elevada performance com uma autonomia decente. Acresce a isso o preço: os vários modelos existentes no mercado com potência e binário equivalente ao de uma moto de média/alta cilindrada custam, de um modo geral, o dobro. E é preciso adicionar um factor emocional importante: as motos eléctricas não fazem barulho; e não há motociclista que se faça por gosto à estrada que não tire do som que sai do escape parte do prazer da condução.

Também por isso não é de estranhar que o segmento de motociclos eléctricos mais dinâmico seja o dos utilitários citadinos — as scooters partilháveis da eCooltra já andam por Lisboa há três anos — e há boas razões para que a tendência aumente: o consumo energético é baixíssimo, praticamente não requerem manutenção e são tão rápidas como as equivalentes a gasolina (considerando as versões de 50cc e 125cc). Mais: são um bálsamo de silêncio onde ele mais é preciso, precisamente no trânsito compacto da cidade.

É aqui que entra a NIU, empresa chinesa que abriu em Maio a primeira loja de marca em Lisboa e que em breve chegará ao Porto. Fundada em 2014 por um ex-chefe de tecnologia do Baidu (o “Google” da China) e outro da Microsoft, foram recrutados para a equipa técnicos de empresas como a Microsoft, BMW, Intel e Huawei para desenvolver scooters eléctricas. A parceria com a germânica Bosch na produção dos motores eléctricos fundamentou a confiança e o sucesso de vendas foi praticamente imediato (em quatro anos chegaram ao índice Nasdaq, da Bolsa de Nova Iorque).

A receita desse sucesso é simples (ou melhor, “óbvia”, que o pacote é complexo): motos com energia e potência calibradas para o trânsito citadino e tecnologicamente avançadas ao ponto de caberem no bolso — no telemóvel, bem entendido. É esse o resumo da experiência durante um fim-de-semana de teste do modelo NGT Sport, de onde sobressaiu a sensação de que é este o caminho.

Compacta, versátil e rápida

A solução encontrada pela NIU para tornar atraente e acessível este modelo passa, por um lado, por manter a estrutura compacta convencional de uma scooter sem lhe acrescentar muito peso. Por outro, a versatilidade do carregamento: as baterias (duas) são facilmente removíveis e podem ser carregadas em casa — não é muito prático, mas já lá iremos.

Em cima destes dois factores cruciais, a cereja: toda a informação essencial relativa à moto está na cloud, ou seja, é sincronizada em permanência com a respectiva aplicação do telemóvel. Isto não só é muito prático, como aponta na mouche para o público-alvo que, inusitadamente, já não se fica pela faixa etária mais jovem: em tempo de uma pandemia que está para durar, toda e qualquer opção para fugir aos transportes públicos é bem-vinda.

Foto
Daniel Rocha

Pensada para trajectos citadinos curtos, a NGT Sport tem uma autonomia de 100 quilómetros, o que dá facilmente para uma semana de utilização. As contas são fáceis de fazer porque a moto apresenta constantemente a autonomia restante e dispõe de um modo de condução electrónico que permite evitar apertos.

Os modos são três, no total. O “E-Save”, que não serve para nada mais que poupar energia para chegar a casa, já que limita a velocidade a uns “estonteantes” 20 km/h. O modo intermédio chama-se “Dynamic”, mas de dinâmico não tem muito, apenas obriga a cumprir as regras do código da estrada: a velocidade máxima é de 50 km/h. Finalmente, o “Sport”, que, na prática, estará sempre ligado e permite uma velocidade máxima de 70 km/h — mais adequada e segura, portanto, à permitida numa via circular da cidade.

A NIU estabeleceu uma parceria com a Bosch para a produção dos motores eléctricos Daniel Rocha
Daniel Rocha
As lâmpadas led cumprem a sua função Daniel Rocha
A NGT Sport vem equipada com um gancho para prender pequenas malas e com uma porta USB para carregamento de acessórios (à esquerda há um pequeno compartimento onde cabe, por exemplo, um telemóvel) Daniel Rocha
Comando do alarme Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha

Suspensão, o calcanhar de Aquiles

Dizer que a NGT Sport é uma scooter citadina é absolutamente correcto, mas ela consegue chegar mais longe — e é também aí que se expressam algumas limitações. No ensaio que efectuámos, fizemos uma viagem de ida e volta pela A5, entre Lisboa e Oeiras: uma viagem de 25 km que esgotou 30% da bateria — numa base de utilização quotidiana, este trajecto exigiria uma carga diária. O mais problemático é a limitação da velocidade aos 70 km/h, que o modelo aguenta sem dificuldade quando a rolar em bom piso, mas facilmente somos ultrapassados por um veículo pesado, com todos os perigos que isso acarreta.

O piso irregular revela o calcanhar de Aquiles desta scooter: a suspensão tem um mau desempenho em piso empedrado (muito comum nas cidades portuguesas) e o mais pequeno buraco ou fissura no asfalto resulta numa pancada seca e desconfortável.

Por outro lado, a NGT Sport trava surpreendentemente bem. Apesar de não ter ABS, resiste a uma travagem forte em qualquer piso sem perder estabilidade (nota: não testámos a moto em piso molhado). Para tal contribuem os travões de disco à frente e atrás, com o apoio do sistema de regeneração do motor (que carrega a bateria durante a travagem).

A moto no telemóvel

O processo de carregamento “passivo” proporcionado pela travagem é uma das indicações apresentados no mostrador, um painel LCD muito completo onde se pode ler a carga das baterias — a moto pode circular com apenas uma, mas apenas em modo “Dinâmico” —, bem como se a ligação GPS e à rede móvel estão activas.

Foto
O mostrador é dinâmico e muda de cor consoante a velocidade Daniel Rocha

A aplicação do telemóvel é mais rica. Além da carga e estado da bateria, é dada a distância aproximada que ainda é possível percorrer. Através da app podemos consultar a localização da scooter (vem equipada com alarme e com sensores que acusam o toque) e os trajectos efectuados.

O nível de informação é elevado e é um dos pontos mais atraentes: está disponível em permanência e acrescenta um nível importante de segurança para deixar a moto na rua. [Consulte a fotogaleria abaixo para ver alguns exemplos]

Indicação do tempo de carga, estado da rede móvel e sinal GPS
Área de notificações recebidas
Os sensores detectam até um simples encosto na moto
Aviso de perda do sinal GPS — quando estacionada numa garagem subterrânea, por exemplo
A NGT Sport possuiu uma pequena bateria auxiliar que alimenta a recepção da rede móvel e GSM durante aproximadamente dois dias. A ausência das baterias desactiva o alarme
Exemplo da sinalização no mapa do posicionamento aproximado da moto. A actualização é praticamente constante
A aplicação regista os trajectos percorridos
Fotogaleria

Pode ficar na rua, mas este é um veículo que se adequa mais a garagem com tomada de corrente eléctrica. A NIU simplificou ao máximo o acesso às baterias e tornou-as removíveis e facilmente transportáveis, mas a prática não bate certo com a conveniência: cada bateria pesa 11 kg. Isto exige, literalmente, força física para transportar 22 kg escada acima.

Ou seja, é exequível, mas pouco prático, mesmo que seja apenas uma vez por semana. Acaba por ser um “mal menor”, dada a conveniência da solução. [Veja a fotogaleria abaixo]

As baterias podem ser carregadas à vez, mas a nossa experiência revelou que a app perde a capacidade de fazer o cálculo final da autonomia. Um "bug" já reportado que deverá ser corrigido Daniel Rocha
Um "splitter" permite carregar as baterias em simultâneo numa tomada normal PE
O espaço ocupado pelas baterias esgota qualquer hipótese de arrumação. Há acessórios disponíveis para o efeito Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha

As baterias oferecem 3500 watts de potência combinada e alimentam o motor construído pela Bosch. O arranque é despachado (em linha com as 125cc) e a resposta na condução permite que ela seja suave e, sobretudo, silenciosa. A ausência de ruído estranha-se de início, mas a habituação é rápida. A NIU teve em atenção o detalhe e equipou esta scooter com sinalizadores de direcção sonoros — são mesmo muito audíveis. Estes piscas barulhentos não estão aqui por acaso; oferecem segurança quando se anda a furar pelo meio do trânsito, permitindo que os condutores dos automóveis nos oiçam com facilidade.

Além do som, o sensor de inclinação faz com que o pisca se desligue sozinho após as curvas mais acentuadas. A NGT Sport vem também equipada com cruise control, limitado não à velocidade, mas à posição do punho do acelerador. As lâmpadas LED cumprem bem a função de iluminar a estrada citadina, mesmo quando a iluminação pública é baixa ou inexistente.

A NIU GT Sport custa 3500 euros, está carregada de tecnologia e foi capaz de a transmitir para o telemóvel. A inovação soa à actualidade e tem o bónus de não fazer barulho, arriscando-se a tornar numa referência no segmento da mobilidade eléctrica em duas rodas.

Sugerir correcção