Jovem de 17 anos morre afogado num poço. Mãe fica em prisão preventiva

A mãe terá dado o alerta para o desaparecimento do filho, mas terá acabado por confessar a autoria do homicídio. A vítima tinha autismo e epilepsia.

mirandela,sociedade,gnr,crime,
Foto
Ricardo Lopes

Os mergulhadores dos Bombeiros Voluntários de Mirandela resgataram, na tarde de terça-feira, o corpo de um jovem de 17 anos do fundo de um poço. A mãe, com quem vivia, é suspeita do homicídio e ficou em prisão preventiva. A vítima tinha autismo e epilepsia.

A história é contada pelo Jornal de Notícias nesta terça-feira e foi confirmada ao PÚBLICO por fonte da GNR, que foi a primeira força de segurança chamada ao local. Os militares chegaram à casa da família, na localidade de Cabanelas, a meio da tarde de segunda-feira, e, percebendo que o jovem estava no fundo de um poço, chamaram a equipa de mergulhadores dos bombeiros de Mirandela.

Os bombeiros recuperaram o corpo cerca das 18h, depois de esvaziarem o poço, pouco mais de uma hora depois do sucedido. A delegada de saúde do distrito de Bragança declarou o óbito no local. 

De acordo com o JN, o jovem de 17 anos tinha autismo e epilepsia. A mãe do jovem, de 51 anos, é suspeita do crime. Segundo a agência Lusa, terá sido a própria mãe a dar o alerta para o desaparecimento do filho, mas terá dito ser ela a autora do homicídio. A mulher foi detida por inspectores da PJ ao início da noite de segunda-feira e deverá ser presente a juiz no Tribunal de Mirandela na quarta-feira para o primeiro interrogatório.

Tratando-se um caso de possível homicídio, o caso está agora entregue à Polícia Judiciária, com quem, até ao momento, não foi possível entrar em contacto. Com Lusa

Sugerir correcção