Se o Benfica permitir, o FC Porto pode acabar a noite em festa

Os “dragões” jogam em Tondela (19h15) frente a uma equipa “aflita” e, caso vençam, obrigam o Benfica a pontuar em Famalicão (21h30), frente a uma das surpresas da temporada.

Luís Diaz e Otávio celebram no último jogo frente ao Tondela
Foto
Luís Diaz e Otávio celebram no último jogo frente ao Tondela JOSé COELHO/Lusa

Vitória do FC Porto em Tondela e derrota do Benfica em Famalicão. São estas as condições para que, por volta das 23h15, haja uma explosão de alegria entre os adeptos do FC Porto, cuja vantagem na tabela, chegando aos nove pontos, sela a conquista do título 29.º nacional da história do clube (ficaria a oito do Benfica) e o segundo pela mão de Sérgio Conceição, após o campeonato ganho em 2017/18. Olhando para as equipas em questão, bem como para os momentos de forma, não é um cenário utópico imaginar que haverá campeão já nesta quinta-feira.

A partir das 19h15, o FC Porto visita um Tondela em apuros – e que, por isso, precisa de pontos –, mas que, também pela posição que ocupa na tabela, deverá ser uma equipa ao alcance de um FC Porto recentemente goleador. E há um dado importante: o Tondela é a pior equipa da I Liga a jogar em casa, tendo conquistado apenas 11 pontos, fruto de duas vitórias e cinco empates.

A partir das 21h30, já sabendo do resultado do FC Porto, o Benfica joga em Famalicão. Tal como os “dragões”, defronta uma equipa com objectivos acesos – no caso, a luta ainda aberta pelos lugares de acesso à Liga Europa. A diferença está precisamente aqui: se o Tondela passa dificuldades e “não sabe” jogar em casa, o Famalicão não só é a equipa surpresa da I Liga e luta pela Europa, como, em casa, já bateu FC Porto e Sporting.

Um Tondela em agonia

Em Tondela, o FC Porto encontra uma equipa em clara dificuldade no pós-confinamento. Com apenas uma vitória desde a retoma do campeonato (e frente ao já condenado Desportivo das Aves), os beirões estão já há meses em quebra.

Em Dezembro, após a jornada 13, a equipa ocupava um surpreendente sexto lugar, à espreita da Europa. Agora, está apenas três pontos acima da zona de descida, depois de dois triunfos nos últimos 17 jogos.

Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, deixou elogios à capacidade defensiva do Tondela – que, apesar das dificuldades para pontuar, nem é das piores defesas da Liga – e deixou uma garantia sobre o estado mental dos portistas, que têm o título ao “virar da esquina”.

“Não sou hipócrita, obviamente pensamos todos os dias nos títulos que temos de conquistar, é para isso que trabalhamos”, começou por reconhecer. Mas acrescentou: “Neste momento, não muda absolutamente nada. Não falamos disso [do título]. Se tivesse falado, partilharia. Ali dentro não se comenta sequer essa situação”, vincou, nesta quarta-feira, na antevisão da partida.

Já Natxo González lembrou, apesar das dificuldades, que o Tondela tem de “sacar pontos” ao FC Porto, recordando que a equipa precisa de encontrar um bom equilíbrio emocional.

Veríssimo não conhecia o calendário

Em Famalicão, o Benfica terá um de dois cenários: caso o FC Porto tenha perdido pontos, acender-se-á uma ténue esperança de ainda conquistar o título – e será motivação suficiente para ser competente nesta partida. Caso o FC Porto tenha ganho em Tondela, o título portista será pouco menos do que uma mera formalidade – se não for campeão hoje, sê-lo-á em breve. E esse não será um bom tónico mental para uma equipa já fragilizada.

Ainda assim, Nélson Veríssimo garantiu, na antevisão da partida, que nem sabia que os “dragões” jogavam primeiro. Mas já ficou a saber. E os jogadores saberão também, certamente.

No Minho, o Benfica enfrenta uma equipa que não terá problemas em dar algum ascendente aos “encarnados” em matéria de domínio territorial e posse de bola, porque é assim que se sente confortável. Depois, tem jogadores com tremendo critério nas transições e qualidade na decisão no último terço. E também por isso são a equipa com mais golos em contra-ataque na I Liga (sete).

“Teremos de ser uma equipa muito organizada e competitiva, potenciar algumas virtudes e colmatar as lacunas que encontramos em alguns momentos do jogo”, anteviu Veríssimo.

Já João Pedro Sousa, treinador do “Fama”, recusa “qualquer coisa que não seja lutar pela vitória”. “Sabemos que vamos encontrar uma equipa forte, independentemente do que se passou no passado recente. Estamos preparados para uma equipa que vai tentar a vitória, mas nós, com o nosso jogo, estamos preparados para conquistar os três pontos”, disse.

Sugerir correcção