Greta Thunberg recebe Prémio Gulbenkian para a Humanidade

Prémio no valor de um milhão de euros distingue, nesta primeira edição, pessoas e organizações de todos o mundo que contribuíram de forma inovadora para a mitigação das alterações climáticas.

A jovem activista sueca Greta Thunberg venceu o Prémio Gulbenkian para a Humanidade, no valor de um milhão de euros, que quer distinguir projectos inovadores dedicados às alterações climáticas. É a primeira edição de uma distinção que quer recompensar “novas ideias que contribuam para melhorar o futuro do planeta”. Este ano, na sua primeira edição, o prémio é dedicado às alterações climáticas. Foram recebidas 136 candidaturas. Greta Thunberg deverá viajar até Lisboa para a cerimónia oficial de entrega deste prémio que, ao contrário de outros que lhe foram atribuídos antes, aceitou receber. 

Num vídeo gravado, a jovem sueca agradeceu o prémio e anunciou que o milhão de euros será doado, através da fundação com o seu nome, a diferentes organizações e projectos que tentam neste momento dar resposta à crise climática e ecológica. São acções, disse ainda, que “lutam por um mundo sustentável e para proteger o mundo natural”. De acordo com um comunicado da Gulbenkian, a Fundação Thunberg "começará por doar os primeiros 200 mil euros à SOS Amazonia campaign, da Fridays for Future Brazil, que combate a covid-19 na Amazónia, e à Stop Ecocide Foundation para tornar o ecocídio um crime internacional”.

Foto
Greta Thunberg a chegar a Lisboa em Dezembro de 2019 Daniel Rocha

A jovem sueca ficou conhecida por ter dado início a um movimento global de combate às alterações climáticas. Em 2018, Greta – que tem agora 17 anos – faltou às aulas para acampar em frente do Parlamento sueco, segurando uma placa onde se lia “Skolstrejk för klimatet” (“Greve escolar pelo clima”). Actualmente, o movimento Fridays for Future, nascido desta luta solitária, junta milhões de jovens em todo o mundo em greves climáticas. 

​Greta Thunberg foi escolhida a 11 de Dezembro de 2019, como Personalidade do Ano pela revista Time, que colocou na capa uma fotografia da jovem, tirada na costa portuguesa, sob o título “O poder da juventude”. No início de Dezembro, a activista esteve de passagem por Portugal, depois de atravessar o Atlântico a bordo de um barco. Aportou em Lisboa — onde, aliás, foi fotografada para a capa da edição da Time de Dezembro — antes de seguir para Madrid onde decorria a Cimeira do Clima. A revista Forbes incluiu a jovem sueca na lista das 100 mulheres mais poderosas de 2019.

“O Prémio Gulbenkian para a Humanidade distingue percursos inovadores com elevado potencial para auxiliar processos de mitigação das e/ou adaptação às alterações climáticas, uma das maiores ameaças do século, com consequências devastadoras no bem-estar das gerações actuais e futuras, na economia e nos ecossistemas naturais”, lê-se no anuncio da distinção atribuída pela primeira vez. A selecção dos nomeados foi feita por um júri externo dividido num grande júri presidido pelo ex-Presidente da República Jorge Sampaio, e por um comité de especialistas presidido pelo cientista Miguel Bastos Araújo

Foto
NASA

Jorge Sampaio realçou “o papel único” de Greta Thunberg na “liderança de um movimento cívico” decisivo no mundo actual e considerou que, este reconhecimento da Fundação Gulbenkian reitera a sua aposta nos jovens como agentes de mudança”. “É um prémio de mérito”, sublinhou o cientista Miguel Bastos Araújo, adiantando que o nome da jovem ambientalista foi proposto de forma independente por “três individualidades”. Além do mérito, o investigador adiantou que foram ainda considerados outros critérios como “o impacto e o grau de inovação”. “Há um antes e depois da Greta na mobilização juvenil”, disse, lembrando ainda a importância do manifesto da ambientalista aos líderes europeus. O comité de especialistas, presidido Miguel Bastos Araújo, avaliou numa primeira fase as 136 nomeações (correspondendo a 79 organizações e 57 personalidades) provenientes de 46 países​, apresentando depois uma lista mais reduzida com 10 candidatos, para apreciação final do Grande Júri. 

A presidente da Fundação Calouste Gulbenkian, Isabel Mota, anunciou em 2019 a criação do Prémio para a Humanidade no valor de um milhão de euros, a atribuir todos os anos. As alterações climáticas foi o tema escolhido para a estreia de um galardão que pretende destacar “novas ideias que contribuam para melhorar o futuro do planeta”.

Desta forma, o prémio “sublinha o compromisso da Fundação Calouste Gulbenkian para com a urgência da acção climática”. No site da instituição, refere-se ainda que este reconhecimento ambiciona, em particular, “acelerar a transição para uma sociedade neutra em carbono, mitigar os efeitos negativos das alterações climáticas para as pessoas, para o ambiente e para a economia e promover uma sociedade mais resiliente e preparada para as alterações globais do futuro, protegendo em especial os mais vulneráveis”. É, conclui-se, um incentivo para “destacar e alavancar respostas de acção climática, de elevada dimensão, contribuindo para acelerar a descarbonização da economia, proteger as pessoas e os sistemas naturais dos graves efeitos associados à crise do clima e sustentar o desenvolvimento sustentável”.