NASA escolhe nuvens da Madeira como fotografia do dia

Satélite da agência norte-americana captou serpenteado das nuvens no arquipélago, explicando as razões para o fenómeno.

Fotografia escolhida pela NASA esta quinta-feira
Foto
Fotografia escolhida pela NASA esta quinta-feira NASA

A ilha da Madeira foi escolhida, esta quinta-feira, como a fotografia do dia para a NASA, agência espacial norte-americana. Nesta imagem capturada pelo satélite “Terra” no dia 16 de Julho, podemos ver o arquipélago rodeado por nuvens a serpentear as ilhas, com a NASA a explicar este fenómeno natural visto a milhares de metros de altitude.

“Este rasto de nuvens é uma parte observável de um padrão de vento chamado ‘vórtices de von Kármán’. A NASA explica que os elevados picos da ilha da Madeira interferiram com a formação das nuvens empurradas pelo vento no Atântico, conferindo-lhes o serpenteado captado pelo satélite.

“A massa de ar, e as nuvens que com ela se movem, são colocadas em torno da ilha — em vez de sobre a ilha. Este movimento cria um padrão giratório no ar por detrás da ilha, com um lado a soprar no sentido dos ponteiros do relógio e outro no sentido oposto. Neste caso, a velocidade relativamente baixa do vento providencia uma perturbação moderada do vento e nuvens atrás da ilha, deixando um rasto de serpente nas nuvens sobre as águas azuis do Norte do Atlântico”.

Além de explicar este fenómeno natural, a NASA faz ainda uma pequena descrição da ilha da Madeira, a quem chama “a ilha da eterna Primavera”. A agência espacial diz que a alcunha é motivada pela localização da ilha, que garante um clima primaveril e ameno complementado pelas constantes brisas de vento e céus nublados provocados pelos ventos de Nordeste.

Esta não é a primeira vez que a foto do dia da NASA teve intervenção portuguesa. Em 2014, um tornado de mosquitos no Ribatejo também foi escolhido pela página da agência norte-americano que, dois anos depois, escolheu uma fotografia captada pelo astrofotógrafo português Miguel Claro que mostrou o Eclipse Penumbral da Lua no Castelo de Sesimbra.

Sugerir correcção