Tóxica e violenta. Assim foi a relação de Johnny Depp e Amber Heard

O casal divorciou-se em 2016, depois de a actriz ter acusado o ex-marido de violência doméstica. Defrontam-se agora em tribunal, num caso que opõe Depp a um tablóide britânico, processado por difamação.

impar,tribunal,johnny-depp,hollywood,cinema,justica,
Fotogaleria
Johnny Depp e Amber Heard casaram-se em Fevereiro de 2015 Reuters/Manuel Silvestri
impar,tribunal,johnny-depp,hollywood,cinema,justica,
Fotogaleria
O actor processou o jornal The Sun por difamação LUSA/WILL OLIVER
impar,tribunal,johnny-depp,hollywood,cinema,justica,
Fotogaleria
Amber Heard acusa o ex-marido de violência doméstica Reuters/SIMON DAWSON

Johnny Depp e Amber Heard conheceram-se em 2009, nas filmagens da longa-metragem O Diário a Rum, onde interpretavam um par romântico, assumiram o namoro em 2013, casaram dois anos depois e separaram-se em 2016. A relação atribulada é agora escrutinada num julgamento mediático, no Supremo Tribunal de Londres, que opõe o actor ao tablóide britânico The Sun, à editora News Group Newspapers e ao editor-executivo Dan Wooton. O processo por difamação, baseado num artigo publicado pelo jornal em 2018, que apelidava Depp de “agressor de mulheres”, tem tido como foco os alegados episódios de violência entre o ex-casal de actores.

Depois de Johnny Depp se ter separado de Vanessa Paradis, em 2012, com quem teve uma relação durante 14 anos e da qual resultaram os dois filhos do actor Lily-Rose e Jack —, a estrela de Hollywood começou a aparecer em público com Amber Hear. O casamento aconteceu no cenário idílico da ilha de Depp nas Bahamas, em Fevereiro de 2015, e tudo parecia saído de um extravagante sonho: os noivos chegaram à cerimónia de hidroavião e trocaram votos com os pés na areia. Mas, pouco mais de um ano depois, em Maio de 2016, a actriz pediu o divórcio e avançou com uma ordem de restrição contra Depp, alegando que este foi violento no decorrer da relação.

PÚBLICO - Em Maio de 2016, Amber Heard à chegada do Tribunal de Los Angeles
Em Maio de 2016, Amber Heard à chegada do Tribunal de Los Angeles Reuters
PÚBLICO - Imagens apresentadas no âmbito do processo que Amber Heard moveu contra Depp
Imagens apresentadas no âmbito do processo que Amber Heard moveu contra Depp Reuters
Fotogaleria
Reuters

Nas audiências desta semana do referido julgamento, que teve início a 7 de Julho, Heard referiu que os abusos passavam por “esmurrar, esbofetear, pontapear, dar cabeçadas e estrangular”, assim como empurrá-la de encontro a coisas, puxá-la pelos cabelos e atirá-la ao chão. Os ataques físicos e o abuso verbal “normalmente aconteciam quando estava bêbedo ou sob o efeito de drogas”, disse a actriz.

O processo de divórcio ficou concluído em Agosto de 2016, com Heard a receber sete milhões de dólares (cerca de seis milhões de euros), valor que doou ao Hospital Infantil de Los Angeles, onde é voluntária, e à União Americana das Liberdades Civis, que apoia vítimas de violência doméstica. Passados quase dois anos, o tablóide britânico publicou o artigo, onde repesca a história de violência entre o casal, o que deu origem ao actual processo judicial.

Acusações e contra-acusações em tribunal

Desde o primeiro dia que Depp nega qualquer agressão à ex-mulher, acusando-a de ser ela a agressora e dizendo mesmo que ela é “sociopata” e “calculista”, tendo inventado as histórias de violência. Antes de Heard começar a ser ouvida, na última segunda-feira, várias testemunhas de defesa do protagonista de Piratas das Caraíbas deram o seu parecer e corroboraram a versão dos factos do actor — que ele nunca foi violento com a ex-mulher ou com ninguém e quem dava início às discussões era Heard, que partia depois para agressão física.

Face às acusações, Heard afirmou que os empregados do ex-marido, que têm confirmado aquilo que Depp tem dito em tribunal, não viram como as discussões se desenrolaram. “Estas coisas aconteceram à porta fechada. Eu nunca fui violenta. Passados anos é que me tentei defender quando as coisas se agravaram e pensei que a minha vida estava em perigo.”

PÚBLICO - Amber Heard e Johnny Depp estiveram juntos, pelo menos, ao longo de três anos
Amber Heard e Johnny Depp estiveram juntos, pelo menos, ao longo de três anos REUTERS/Lucas Jackson
PÚBLICO -
REUTERS/Fred Thornhill
PÚBLICO -
REUTERS/Stefano Rellandini
PÚBLICO -
REUTERS/Fred Thornhill
PÚBLICO -
REUTERS/Manuel Silvestri
PÚBLICO -
REUTERS/Danny Moloshok
Fotogaleria
REUTERS/Lucas Jackson

No segundo dia de depoimentos, a Mera de Aquaman admitiu ter dado um murro ao ex-marido, em Março de 2015, justificando que foi em defesa da sua irmã, Whitney, que se encontrava no topo de um lance de escadas no apartamento do casal. “Tinha ouvido dizer que [Depp] tinha empurrado uma ex-namorada, acho que foi a Kate Moss, por umas escadas abaixo. Pensei nisso naquele momento e reagi em defesa dela (Whitney).”

A advogada de Depp referiu de seguida que aquela era a primeira vez que Heard mencionava qualquer tipo de memórias sobre o alegado incidente com Kate Moss, ao que ela respondeu que nunca tinha alterado a sua história. Ainda assim, admitiu que era a primeira vez que se referia a esta situação.

A irmã mais nova de Amber, Whitney, prestou depoimento, na quinta-feira, reiterando que Heard, durante os quatro anos que esteve com Johnny Depp, por vezes aparecia com hematomas e queimaduras nos braços e marcas na cara. “Incrivelmente ciumento e obsessivo” — foi assim que Whitney descreveu o actor. “[Amber] estava constantemente a comprar telemóveis novos, porque ele os destruía.”

PÚBLICO -
Foto
Whitney Heard, irmã mais nova de Amber Heard DR

Whitney referiu que a irmã tinha sempre uma desculpa para as marcas no seu corpo. “Tinha batido nisto ou naquilo, tinha-se queimado a cozinhar ou a encaracolar o cabelo.” Mais tarde, Amber terá admitido à irmã que Depp a agredia, mas que naquela fase “culpava-se constantemente, dizia que devia ter feito alguma coisa para o chatear”.

Ciúmes e supostas traições

Em audiências passadas já tinham sido mencionadas associações de Heard a alegados amantes que teve durante o seu relacionamento com Depp, todos colegas de trabalho: James Franco, Eddie Redmayne, Leonardo DiCaprio ou Channing Tatum. A actriz afirma que era o ex-marido quem inventava estas histórias por ser ciumento. Outro dos nomes que tem sido referido neste julgamento é o do multimilionário norte-americano Elon Musk.

Heard nega qualquer envolvimento com o patrão da Tesla na altura em que ainda estava casada com Depp, ainda que o porteiro do complexo onde o ex-casal habitava em Los Angeles tenha testemunhado ter visto Musk a entrar diversas vezes no edifício, a partir de Março de 2015, numa altura em que Depp se encontrava a gravar na Austrália. Em mensagens lidas em tribunal, o multimilionário ofereceu segurança ininterrupta a Amber depois de alegadamente Depp ter atirado um telemóvel à cara da ex-mulher. Amber e Musk tiveram posteriormente um relacionamento intermitente, que terminou em 2018.

O julgamento tem final previsto para 27 de Julho, sabendo-se mais tarde o veredicto. Estima-se que este caso chegue aos milhões de libras só em honorários dos advogados.

Texto editado por Carla B. Ribeiro

Sugerir correcção