Primeiros seis meses do ano foram os mais quentes de sempre na Europa

O primeiro semestre de 2020 foi o segundo mais quente do planeta, com uma anomalia da temperatura que se fez sentir especialmente na Europa, Ásia e América do Sul. Em Portugal, os meses de Fevereiro e Maio foram os mais quentes desde 1931.

meteorologia,uniao-europeia,ambiente,asia,europa,clima,
Foto
Temperatura mais alta em Portugal foi registada a 22 de Junho em Alvalade e Portel (41°C) NFS - Nuno Ferreira Santos

Os primeiros seis meses deste ano foram os segundos mais quentes do planeta desde que há registo. Estas “anomalias positivas da temperatura do ar”, como as caracteriza o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IMPA) no seu mais recente resumo climático, foram mais significativas na Europa, Ásia e América do Sul. Além disso, entre Janeiro e Junho há um mês que salta à vista quando falamos de temperaturas elevadas: Junho foi considerado o segundo mais quente de sempre na Europa, ainda que existam “diferenças significativas entre as temperaturas que se verificaram nos países do Norte (muito acima dos valores normais) e os países do Sul (próximo ou inferiores ao normal).

Segundo o relatório publicado esta terça-feira pelo instituto, a anomalia da temperatura média do ar de foi de mais 1.07 graus Celsius, depois de o primeiro semestre de 2016 ter tido uma anomalia de mais 1.12 °C.

De acordo com os dados do programa Copernicus da União Europeia, na Europa, o primeiro semestre de 2020 foi mesmo o mais quente de sempre, com uma anomalia da temperatura de mais 1.73 °C.

Fevereiro e Maio foram os mais quentes desde 1931

O resumo climático, que analisa também a temperatura em Portugal Continental, diz que os primeiros seis meses foram “muito quentes”, mas também “secos” em território nacional, isto porque o total de precipitação de (341.4 mm) correspondeu a 74 % do valor normal. “O semestre de Janeiro a Junho foi o quarto mais quente desde 1931 (depois de 2017, 1997 e 2011). “O valor médio da temperatura máxima do ar rondou os 19.90 °C, o terceiro mais alto desde 1931”, lê-se no documento.

Diz ainda o IPMA que o valor médio da temperatura média do ar foi 14.44 °C,, mais 1.27 °C acima do valor normal e que o valor médio da temperatura mínima andou à volta dos 8.98 °C, 0.80 °C superior ao valor normal.

Sabe-se também que o mês de Fevereiro foi o mais quente desde 1931: nos dias 23 e 24 foram ultrapassados os maiores valores da temperatura máxima do ar em cerca de 40% das estações meteorológicas da rede IPMA. E o mesmo aconteceu com Maio, que também foi o mais quente desde 1931 (igual a 2011). O IPMA justifica estes valores pela “ocorrência de uma onda de calor, em grande parte do território de Portugal continental, entre 17 e 31 Maio, a qual pode ser considerada como uma das mais longas e com maior extensão territorial para o mês. “Nas estações de Montalegre, Bragança, Vila Real, Benavila, Mértola, Lisboa foi mesmo a onda de calor com maior duração desde 1950”, refere o instituto.

Há ainda a reportar a situação de seca meteorológica nas regiões a sul do Tejo, sendo de realçar as regiões do Baixo Alentejo e Algarve que, ainda assim, tiveram uma diminuição da intensidade a partir de Abril. Até Junho, o valor mais baixo de temperatura mínima foi registado a 6 de Janeiro no Sabugal (-5.6 °C) e o mais alto a 22 de Junho em Alvalade e Portel (41°C). A maior valor da quantidade de precipitação em 24h foi registada a 5 de Abril na Guarda (85.3 mm).

Sugerir correcção