Acidente com Alfa Pendular em Soure. Peritos apontam falhas na segurança de veículos de inspecção férrea

Máquina de serviço passou sinal vermelho e embateu num Alfa. Gabinete de investigação já recomendara em 2018 a instalação nestes veículos de sistema de que os trava quando passam sinal vermelho. Infraestruturas de Portugal alegou falta de “cabimentação financeira”. Duas pessoas morreram e mais de 30 ficaram feridas.

,Vagão de trem
Fotogaleria
, Sérgio Azenha,Sérgio Azenha
,Transporte ferroviário
Fotogaleria
, Sérgio Azenha,Sérgio Azenha
acidentes,sociedade,coimbra,refer,cp,transportes,
Fotogaleria
Sérgio Azenha
acidentes,sociedade,coimbra,refer,cp,transportes,
Fotogaleria
Paulo Cunha/Lusa
acidentes,sociedade,coimbra,refer,cp,transportes,
Fotogaleria
Paulo Cunha/Lusa
acidentes,sociedade,coimbra,refer,cp,transportes,
Fotogaleria
Paulo Cunha/Lusa
,Trem de passageiros
Fotogaleria
Paulo Cunha/Lusa
,Alfa Pendular
Fotogaleria
Paulo Cunha/Lusa
Trem
Fotogaleria
Paulo Cunha/Lusa
Trem
Fotogaleria
Paulo Cunha/Lusa
,Alfa Pendular
Fotogaleria
Paulo Cunha/Lusa
,Alfa Pendular
Fotogaleria
Paulo Cunha/Lusa

As máquinas de inspecção da catenária, como aquela que esta sexta-feira se envolveu num grave acidente com um Alfa pendular à saída de estação de Soure, em Coimbra - do qual resultaram dois mortos, seis feridos de média gravidade, um grave e 36 ligeiros - não têm um sistema de controlo de velocidade (Convel). Este equipamento trava automaticamente o veículo quando passa um sinal vermelho. Existem em todos os comboios menos nestas máquinas de serviço, apesar do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e Acidentes Ferroviários (GPIAAF) ter há dois anos recomendado a sua instalação à Infraestruturas de Portugal.