Análises do rio Vizela mostram bactérias a mais e vigília de protesto avança

As amostras recolhidas pela Câmara Municipal de Vizela em julho, após mais uma descarga oriunda da ETAR de Serzedo, revelam que as quantidades de Escherichia coli e de enterococos intestinais, utilizadas para medir a contaminação da água, superam o aceitável. Autarquia vai promover vigília de protesto na noite de quarta-feira.

Foto
ADRIANO MIRANDA

Quando o rio Vizela reapareceu tingido de vermelho e castanho no dia 17 de Julho, a Câmara Municipal de Vizela recolheu amostras da água junto à ETAR de Serzedo (Guimarães). Fê-lo também em secções a montante e a jusante da estação a cargo da Águas do Norte, empresa de capitais maioritariamente públicos que acusa de descargas poluentes. Feitas as análises, há parâmetros relativos à qualidade da água que estão a ser desrespeitados, alegou a autarquia, nesta segunda-feira. “As análises são a prova de que a ETAR não está a funcionar bem e de que as águas estão poluídas”, reiterou o presidente da Câmara, Victor Hugo Salgado, numa conferência de imprensa decorrida junto ao afluente do rio Ave.

O laboratório contratado para o efeito, Microchem, fez análises químicas e microbiológicas, mas o PÚBLICO só teve acesso aos resultados microbiológicos. A quantidade de Eschericha coli e de enterococos intestinais, bactérias que indicam o nível de contaminação de água, manteve-se dentro dos valores aceitáveis para águas balneares a montante da ETAR, mas ultrapassou tais limites no ponto de descarga. O número mais provável de bactérias Escherichia Coli na amostra recolhida junto à ETAR, em Julho, era de 24 mil por 100 mililitros, quando o valor máximo definido como “aceitável” é de 900.

No troço a montante, porém, a estimativa rondava as 250 bactérias por 100 mililitros. Já o número de enterococos intestinais junto à descarga foi de 6.100, quando o valor máximo definido como “aceitável” é de 330. O número de enterococos registado a montante foi 330, precisamente. As amostras recolhidas 200 metros a jusante revelaram três mil enterococos por 100 mililitros, valor quase dez vezes acima do “aceitável”, e cerca de cinco mil bactérias Escherichia coli, número cinco vezes superior ao limite.

A coloração do rio Vizela é um problema que se estende no tempo e que levou a Câmara a abandonar o plano de acção para a despoluição do curso de água, após uma outra descarga da ETAR de Serzedo, em Agosto de 2019. Face aos resultados das mais recentes análises, Victor Hugo Salgado confirmou a interposição da prometida queixa-crime contra a Águas do Norte. Já a Agência Europeia do Ambiente e o Comissário Europeu do Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginijus Sinkevicius, vão receber os vídeos, as fotografias e as análises relativas ao assunto. Esse material já foi enviado para o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sob ameaça de boicote às Presidenciais de 2021.

O autarca defendeu que a única solução para o problema é a construção de um emissário que conduza os efluentes da ETAR para um ponto onde o caudal do rio tem maior expressão, a jusante da cidade de Vizela. “Isto não seria inédito em Portugal. No rio Tinto [Gondomar], aconteceu um investimento de nove milhões de euros e resolveu-se a situação”, lembrou.

Vigília na ETAR

Disposto a acabar com uma situação que considera mais própria de um país de “terceiro mundo” do que de um estado-membro da União Europeia, Victor Hugo Salgado vai exigir um debate na Comissão do Ambiente, Energia e Ordenamento do Território da Assembleia da República, onde esteja presente o ministro do Ambiente e da Acção Climática, João Pedro Matos Fernandes. A câmara de Vizela também deseja suportar as suas reivindicações com mais “fundamentos técnicos e científicos” e tenciona pedir um estudo de impacto ambiental à Universidade de Aveiro.

A curto prazo, Victor Hugo Salgado instou os vizelenses a participarem numa vigília junto à ETAR de Serzedo, a partir do final da tarde de quarta-feira. Para não se ver “descredibilizada” em tempo de covid-19, a autarquia vai oferecer velas para os cidadãos as pousarem lá, sem terem de estar concentrados pela noite fora. “Queremos provar que não estaremos todos juntos lá, mas que as pessoas vão lá”, explicou. A escolha de 05 de Agosto não é aleatória; em 1982, essa data marcou a luta pela elevação de Vizela a concelho, com várias acções de rua e confrontos com a GNR.

O PÚBLICO tentou contactar a Águas do Norte, mas sem sucesso. Num comunicado emitido na quarta-feira anterior, a entidade rejeitou qualquer “anomalia” no funcionamento da ETAR de Serzedo e frisou que a “água tratada e descarregada” cumpre integralmente o Título de Utilização de Recursos Hídricos, emitido pela Agência Portuguesa do Ambiente.