Unsplash
Foto
Unsplash

Esta app quer ajudar os moradores de Berlim a cuidar das árvores da rua

Apesar de ser uma das cidades mais verdes da Europa, as árvores de Berlim estão a sentir os efeitos da seca causada pelas alterações climáticas. Foi assim que surgiu a Gieß den Kiez, uma aplicação que quer ajudar os habitantes a preservar as árvores da cidade.

As tílias são uma visão comum em Berlim, mas estas estão longe de ser as únicas árvores a habitar a capital alemã. Apesar de a cidade ser uma das mais verdes da Europa, as alterações climáticas estão a colocar em risco a sobrevivência de muitas árvores. A tempestade Xavier causou estragos em 2017 e a seca e o calor extremos que têm atingido Berlim nos últimos anos também vieram agravar o problema.

O número anual de árvores nas ruas da cidade que foram derrubadas aumentou cerca de 20% desde 2018, segundo relata Christian Hönig, do grupo ambientalista BUND-Berlin à Next City, e este ano o Senado de Berlim disponibilizou mais de 22 milhões de euros para a preservação das árvores. Agora, para além dos fundos públicos e das doações, há mais um aliado nesta luta: a aplicação Gieß den Kiez (Regar o Bairro, em tradução livre), que quer motivar os utilizadores a cuidar das árvores locais.

A aplicação funciona de forma interactiva e incentiva os habitantes a estarem atentos às árvores que precisam de mais cuidados e a regá-las quando necessário. É mostrado um mapa que localiza mais de 625 mil árvores, tanto nas ruas como em parques. São também disponibilizadas informações sobre a precipitação recente, as espécies, a idade e as necessidades de água de cada uma.

PÚBLICO -
Foto
O site mostra a localização de mais de 600 mil árvores em Berlim Next City

A ideia foi desenvolvida pelo CityLAB Berlin, um “laboratório experimental para a cidade do futuro”, como se pode ler no site, que é financiado pelo Senado de Berlim e pela Technologiestiftung Berlin (Fundação de Tecnologia de Berlim). Julia Zimmermann integra a equipa da Gieß den Kiez e explica que há cada vez mais pessoas a formar grupos através do site. “Até agora temos 1200 utilizadores registados, dos quais 1030 são regulares. Isto significa que quem usa a plataforma é também activo. Queremos mostrar às pessoas que tipos de soluções digitais existem para problemas da vida real”, refere ao jornal alemão Berliner Zeitung.

Um dos utilizadores é Sebastian Hasse, um cidadão preocupado com os efeitos da seca nas árvores, que no ano passado criou um grupo dedicado à preservação das árvores mais antigas no distrito de Neukölln, em Berlim. “Se o site da Gieß-den-Kiez já existisse na altura, não teríamos feito erros de principiante. Só teríamos regado as árvores mais novas porque são as que precisam mais de água”, explica ao Berliner Zeitung.

Os resultados são promissores, mas o projecto ainda não está terminado. O próximo passo é aumentar a eficiência do uso dos recursos e criar a distinção entre as árvores que já estão a ser regadas e as que ainda não têm cuidadores. Há também a possibilidade da expansão da ideia a outras cidades alemãs, o que pode acontecer facilmente, pois o código do site é de acesso livre. “Outras cidades como Leipzig e Düsseldorf também já nos contactaram e querem um projecto semelhante. Por não ser um projecto comercial e por ser suportado por uma fundação sem fins lucrativos é, digamos, um presente para os outros”, conclui Julia Zimmermann.

Texto editado por Amanda Ribeiro

Sugerir correcção