Como inserir um tampão? A Tampax explica, mas os irlandeses não querem que se saiba

Anúncio foi retirado depois de diversas queixas por parte de espectadores, que o apelidam de “vulgar”, “nojento e desnecessário”.

impar,publicidade,televisao,consumo,educacao,irlanda,
Foto
A Tampax removeu o anúncio na Irlanda que ensinava a colocar um tampão Gabrielle Rocha Rios/Unsplash

A marca de produtos de higiene íntima Tampax criou um curto anúncio, diferente dos que costumam ser exibidos, onde aborda de forma directa a questão da colocação do tampão. Os 30 segundos de publicidade decorrem num cenário de talk-show fictício com a apresentadora a perguntar à audiência e à convidada quantas delas “sentem o tampão”, ao que esta responde com um aceno positivo. De seguida, a protagonista diz que não é suposto isso acontecer e que quer dizer que o tampão “não está fundo o suficiente”, exemplificando com as mãos a forma acertada de inserir o objecto.

Este anúncio surgiu depois de um estudo da Tampax que chegou à conclusão que 42% das utilizadoras de tampões com aplicador (como é o caso da marca em questão) não os inserem correctamente, sendo que essa percentagem aumenta para o 58% nas idades compreendidas entre os 18 e os 24 anos.

No início de Agosto, a Autoridade Reguladora de Anúncios da Irlanda (ASAI, na sigla original) reviu o anúncio depois de receber 84 queixas, que diziam que o anúncio é “degradante para as mulheres”, “não é adequado para crianças” e está “carregado de insinuações sexuais”. Ainda que tenha reconhecido que o anúncio facultava informação factual de forma não explícita nem gráfica, a entidade concluiu que o anúncio tinha causado um sentimento de ofensa generalizado e decretou que não deveria ser transmitido novamente.

A Tampax confirmou que o anúncio já não será transmitido na Irlanda. “De acordo com a decisão da autoridade, vamos parar de mostrar esta publicidade na Irlanda”, disse um porta-voz da marca, citado pelo site The Lily.

Fiona Tyrell, presidente da Associação Irlandesa para o Planeamento Familiar, disse que a ASAI está, “de forma chocante, desfasada de atitudes prevalecentes em relação à sexualidade na Irlanda”. “É inaceitável que a ASAI aceda às exigências das minorias reticentes e que bana este anúncio. A censura de informação sobre a sexualidade e a reprodução pertence ao passado.”

A ASAI já se pronunciou e referiu que, apesar de a investigação ter sido impulsionada depois das 84 queixas, no total receberam 150. A entidade disse ainda que o número de queixas era “significativamente mais elevado” do que o que costumam receber e que este poderia ser indicativo de um sentimento dos consumidores mais abrangente em relação ao anúncio.

Charlotte Amrouche, que dá workshops de educação menstrual na Irlanda, afirmou que a decisão da ASAI é “desapontante e imensamente frustrante”, uma vez que, “a proibição do anúncio com base em ‘ofensa generalizada’ sugere que vaginas, menstruação e produtos menstruais são todos ofensivos”. Acrescentou ainda que a falta de conhecimento sobre como utilizar os produtos menstruais correctamente se deve à educação sexual e reprodutiva inadequada das escolas irlandesas.

Um porta-voz da Tampax disse que a marca está “arrebatada com o apoio” que tem recebido do público irlandês. “O nosso anúncio foi pensado para abordar uma questão muito comum e para ensinar a colocar correctamente um tampão de forma directa e simples. Vamos continuar a esforçar-nos para normalizar a menstruação e acabar com o estigma do período.”

Texto editado por Bárbara Wong

Sugerir correcção