Entrevista

Para que o cinema recomece, Veneza arrisca um festival rigorosamente vigiado

“Temos de abrir as salas e enchê-las de bons filmes para convencer as pessoas de que é tempo de regressar”, diz Alberto Barbera. O “seu” Festival de Veneza, que começa esta quarta-feira com Lacci, de Daniele Luchetti, e um júri presidido por Cate Blanchett, desafia a pandemia, no momento em que os números da covid-19 voltam a aumentar em todo o mundo.

nanni-moretti,andrei-konchalovsky,cinema,culturaipsilon,festival-veneza,festival-cannes,
Fotogaleria
Alberto Barbera está confiante: "Vamos chegar ao fim [do festival] sem problema" Vittorio Zunino Celotto
nanni-moretti,andrei-konchalovsky,cinema,culturaipsilon,festival-veneza,festival-cannes,
Fotogaleria
Le Sorelle Macaluso, da actriz e encenadora Emma Dante
nanni-moretti,andrei-konchalovsky,cinema,culturaipsilon,festival-veneza,festival-cannes,
Fotogaleria
Pieces of a Woman, o primeiro filme em língua inglesa do húngaro Kornél Mundruczó, com Shia LaBeouf
nanni-moretti,andrei-konchalovsky,cinema,culturaipsilon,festival-veneza,festival-cannes,
Fotogaleria
Dear Comrades, de Andrei Konchalovsky
,Documentário
Fotogaleria
Notturno, de Gianfranco Rosi
,Nico, 1988
Fotogaleria
Miss Marx, de Susanna Nicchiarelli

É na presença dos directores de oito dos mais importantes festivais de cinema do mundo, de Cannes a Locarno, de Berlim a Roterdão ou San Sebastián, que a 77.ª edição do Festival de Veneza começa esta quarta-feira a desafiar a pandemia. Comunhão simbólica: o primeiro grande encontro cinematográfico a querer e a poder manter os rituais essenciais de um festival físico, depois de outros terem sido anulados ou transformados em experiência virtual, vai fazer subir ao palco da Sala Grande do Lido a solidariedade para com uma indústria que, como outras, se viu cancelada pela covid-19.