Morreu Erick Morillo, criador do êxito planetário I like to move it

Tinha 21 anos quando, em 1993, editou o tema, cantado por Mad Stuntman, que definiria a sua carreira. Foi encontrado morto na sua casa em Miami, a dias de ser ouvido em tribunal por um caso de violação de que está acusado.

Foto
DR

Em 1993, Erick Morillo chegou ao topo do mundo. Tinha 22 anos quando editou I like to move it, a canção que compôs e produziu, que Mad Stuntman cantou, e que se tornou um êxito global particularmente resistente à passagem do tempo. O tema que o tornou milionário continuaria a acompanhá-lo como assombração. Apesar do sucesso posterior enquanto DJ de house, em Nova Iorque ou no Algarve, mas principalmente em Ibiza, aquele momento one hit wonder marcaria todo o seu percurso.

Na terça-feira, Morillo foi encontrado morto na sua casa em Miami. A polícia investiga ainda as circunstâncias da morte, cuja causa não foi revelada.O DJ iria ser ouvido na próxima sexta-feira em tribunal, acusado da violação de uma mulher, também DJ. Apesar de ter negado o crime, o seu ADN foi encontrado no corpo da vítima, o que levou à sua detenção e a uma acusação formal no início de Agosto.

Nascido em Nova Iorque a 26 de Março de 1971, Morillo passaria a infância em Cartagena das Índias, na Colômbia. Regressou aos Estados Unidos com 11 anos e iniciou carreira na cidade que o viu nascer, ligado àquela que era a maior editora de música house da cidade, a Strictly Rhythm. Em 1993, depois se ter estreado no ano anterior, sob o pseudónimo Reel 2 Real, com singles como The new anthem (funky Buda) e Muevelo, editou a canção que lhe mudaria a vida. Contando com a voz de Mad Stuntman, cantor de Trindade e Tobago, I like to move it iniciou em 1993 um percurso fulgurante que a tornaria, no ano seguinte, um sucesso à escala planetária e, depois, um clássico que perdura na memória global como marca da explosão global da house na década de 1990.

Já neste século, a canção ganharia novo protagonismo ao ser incluída no filme de animação Madagáscar (2005). Quando tal aconteceu, já Erick Morillo se convertera, mais do que em criador e compositor, em DJ globetrotter, protótipo dos DJ superestrelas deste século, viajando dos Estados Unidos para Ibiza, daí para Moscovo, depois para Londres, antes de regressar, sempre, à ilha espanhola tornada sinónimo de discotecas e hedonismo desbragado. Ainda assim, manteve colaborações com nomes como Puff Daddy, Skin, vocalista dos Skunk Anansie, Basement Jaxx ou Boy George.

O obituário da Billboard recorda que, numa conferência realizada em Ibiza em 2016, Morillo confessara que ao imenso sucesso de I like to move it sucedera a frustração e um ego destruído por se sentir, à medida que os anos passavam, ultrapassado pelo novos DJ e compositores de house. Relatara também um longo historial de toxicodependência e alcoolismo e várias tentativas de desintoxicação – dizia-se sóbrio desde 2014. Actuou em Portugal por diversas vezes: na última viagem ao nosso país, no ano passado, esteve no Romando Beach Club, em Vila do Conde, e no Mundo Lick, em Albufeira.

Em Agosto foi acusado de violação por uma mulher com quem partilhara uma sessão de djing numa festa privada em Miami. O crime terá ocorrido em Dezembro de 2019. Segundo a acusação, depois da actuação, Erick Morillo, a sua colega DJ e uma amiga deslocaram-se à casa de Morillo, onde no decorrer da noite este terá feito várias abordagens sexuais à primeira, que esta repeliu. Depois de, sentindo-se alcoolizada, recolher a um dos quartos da casa, a mulher acordaria nua com Morillo, igualmente nu, deitado a seu lado. Morillo declarou-se inocente (afirmou ter tido relações sexuais com a outra mulher presente na casa, mas esta alega ter dormido no sofá, embriagada, e não se recordar de nada). Porém, a investigação confirmou a presença do ADN de Morillo na acusadora e este acabou por entregar-se às autoridades.