Celebra-se Amália e há cinema e música electrónica ao ar livre este mês em Lisboa

A entrada é gratuita para os eventos do Lisboa na Rua, mas com lotação limitada e levantamento prévio do bilhete. A edição deste ano sofreu alterações no formato devido aos constrangimentos gerados pela situação de pandemia.

Foto
Daniel Rocha

A edição deste ano do Lisboa na Rua, que arrancou no dia 13 de Agosto e durará até 27 de Setembro, já tem os primeiros dias do mês marcados com uma programação diversa, com Amália em destaque. 

Serão apresentados quatro filmes com Amália Rodrigues entre os dias 3 e 6 deste mês. A iniciativa “Amália no Cinema” apresentará obras que marcam diferentes “épocas da carreira artística” da fadista. Inclui-se Fado — História de uma Cantadeira, o documentário The Art of Amália, a estreia no cinema da fadista com Capas Negras e a obra luso-francesa As Ilhas Encantadas, segundo nota da EGEAC, responsável pelo festival. Cada sessão terá um convidado diferente, como o musicólogo Rui Vieira Nery ou a deputada Joana Mortágua. Será às 21h30, no Palácio Pimenta no Museu de Lisboa. O projecto tem curadoria do realizador Diogo Varela Silva, familiar de Amália.

A entrada é gratuita, mas com lotação limitada e levantamento prévio do bilhete. A edição do Lisboa na Rua deste ano sofreu alterações no seu formato, devido aos constrangimentos gerados pela situação de pandemia. Segundo o programa deste ano, “as actividades presenciais decorrem em espaços com controlo de acessos, de modo a manter a distância de segurança entre os participantes. Recomenda-se o cumprimento das regras de segurança pessoal, como o uso de máscara, distanciamento físico e etiqueta respiratória”. Alguns eventos serão transmitidos por streaming.

Estas não serão as únicas sessões de cinema. O Cinema no Estendal é um festival itinerante, que entre os dias 4 e 5 terá exibições de curtas-metragens nacionais e internacionais, também a partir das 21h30.

Além disso, esta sexta-feira será dedicada à música electrónica: Violet (uma das fundadoras da Rádio Quântica), BLEID e Odete da label Naive tomam conta do Noites de Verão, no Jardim da Galeria Quadrum em Alvalade às 19h00.

No Palácio Baldaya, em Benfica, o Dançar a Cidade terá “danças a solo, com o devido distanciamento de segurança”. A primeira sessão é já neste Domingo, às 17:30, orientando-se para o dancehall. No dia 13, a iniciativa muda-se para o Jardim do Palácio Pimenta, com dança Bollywood, característica do cinema indiano.​

O Lisboa na Rua, “nascido há sete, oito ou talvez nove anos com o objectivo de atrair turistas para Lisboa”, segundo a Lusa, é gerido e organizado pela Câmara Municipal de Lisboa e pela Empresa de Gestão e Animação Cultural de Lisboa (EGEAC) há dois, tendo sido redireccionado “para a descoberta da cidade, os seus sítios menos óbvios e centrada nos moradores”.

Segundo a EGEAC, as circunstâncias tornaram esta edição num “desafio”, mas realça que não podia deixar “de o tentar fazer”. E apela à “segurança” e à “liberdade, “dois conceitos que podem ser sinónimos, se assim o quisermos”.

Texto editado por Ana Fernandes