coronavirus,cinfaes,criancas,educacao,sociedade,escolas,
Os primeiros alunos a chegar à escola do centro de Cinfães têm um cartaz de boas-vindas à espera Nelson Garrido
Reportagem

“Costumam trazer o bolo de aniversário para a sala. Este ano, não pode ser”

No arranque do pré-escolar, em Cinfães, explica-se que os pais ficam à porta, que não se vai lavar os dentes nem permitir que se celebre o aniversário das crianças com o habitual bolo partilhado entre os colegas. Mesmo ansiosos, pais e educadores concordam: os miúdos têm de brincar

Calado, de olhos bem abertos, Renato segura a mão da mãe, à porta do Complexo Escolar de Cinfães. Ainda não são 9h30 e a reunião em que os pais vão ficar a conhecer as regras do estabelecimento de ensino com 164 crianças, do pré-escolar e do 1.º ciclo, vai começar dali a pouco. Tânia Sousa, de 29 anos, admite estar “um bocadinho preocupada”, porque vão ser 25 crianças na sala do filho, mas nem pensar em atrasar o regresso à escola. “Ele está um pouco ansioso, até porque é uma escola nova para ele. E estava bem em casa, mas a escola faz-lhe falta. E a nós também”, diz a mulher que continua em teletrabalho.