Esposende recupera moinhos de vento para criar parque temático

Será o Parque Temático dos Moinhos de Vento da Abelheira, em Marinhas, ligado às energias renováveis e ao ciclo do pão. E deverá incluir sete moinhos recuperados.

pao,minho,esposende,fugas,braga,turismo,
Foto
Imagem do projecto com os moinhos recuperados CM Esposende

A autarquia de Esposende anunciou que vai “arrancar com a obra de recuperação de três moinhos de vento”, dando assim início à “primeira fase" de constituição do Parque Temático dos Moinhos de Vento da Abelheira em Marinhas. 

Os monhos são “propriedades do Município”, refere a câmara em nota à imprense e o projecto “integra-se na estratégia de promoção do turismo” local “através da valorização e preservação do seu património material e imaterial”.

Após esta primeira recuperação, o plano é avançar para a recuperação de mais quatro moinhos. O parque temático será dedicado às “energias renováveis e ao ciclo do pão”. 

PÚBLICO -
Foto
Marinhas: Os moinhos actualmente CM Esposende

Nos sete moinhos será apresentado “todo o processo que envolve a sementeira e a recolha do grão, assim como os diversos processos necessários à sua preparação para a moagem”.  

É anunciado ainda que um dos espaços será “distinto pelo aspecto arquitetónico vanguardista” e que “abordará o futuro da energia”, enquanto que um dos moinhos será recuperado para funcionar, “a partir dos vestígios remanescentes no local, recuperando toda a informação tecnológica e capitalizando os resultados” na sua “reconstituição fidedigna”. 

Uma das grandes atracções arquitectónicas do concelho é precisamente uma casa inspirada e construída a partir de um moinho:Casa das Marinhas, obra do arquitecto local Viana de Lima.

Além dos moinhos de Abelheira, sublinha a autarquia, Esposende “reúne mais moinhos eólicos e hidráulicos”. 

A recuperação é apoiada “no âmbito da candidatura Qualificação das Experiências de Turismo da Natureza no Minho – Redes de Visitação da Natureza – Moinhos da Abelheira/Esposende” e “integrada na Estratégia de Eficiência Coletiva PROVERE, financiada a 85%”. Segundo a autarquia, terá um investimento de 155 mil euros.

Sugerir correcção