Ambiente

Na Tailândia, os “caçadores de plantas” trabalham para as proteger da extinção

Ann Wang|REUTERS
Fotogaleria
Ann Wang|REUTERS

Nas densas florestas sub-tropicais das cidades de Taitung e Dongyin, na Tailândia, existem plantas raras que um grupo de conservacionistas do Centro de Conservação Botânica Dra. Cecilia Koo estão a tentar proteger do aquecimento global e da acção humana, que as poderão conduzir à total extinção.

Hung Hsin-chieh, “caçador de plantas” e assistente de investigação no Centro de Conservação, colecciona espécies desde tenra idade. “Pensava, então, que não era algo importante”, disse à Reuters. “Mas, desde que comecei a trabalhar no centro de conservação, percebi que muitos seres-vivos que viviam naqueles locais já desapareceram. Será impossível encontrar muitos deles, no futuro, caso não haja um esforço sério no sentido de os conservar.”

Caçar plantas em extinção não é uma tarefa simples. Os obstáculos que enfrentam os “caçadores” são inúmeros e vão desde terreno acidentado e íngrime até chuvas torrenciais. “Nem todos conseguem chegar aos locais onde eu chego”, explicou Hung. “Eu consigo permanecer nas montanhas e nas florestas durante longos períodos. Sou óptimo a subir às árvores e nem toda a gente consegue fazê-lo.”

O objectivo desta recolha é garantir que as espécies raras que, porventura, venham a desaparecer possam ser reintroduzidas na biodiversidade tailandesa. Cheng Ken-yu, que faz a gestão das amostras recolhidas pelos técnicos, espera que, um dia, mesmo após a sua possível extinção, estas espécies possam tornar a habitar território nacional. “Ou que um dia possamos criar novos habitats onde estas plantas possam viver harmoniosamente.”

A Tailândia é um país fortemente industrializado e densamente populado mas, apesar disso, 70% da ilha é coberta de área verde. Nela vivem veados, javalis selvagens e uma espécie ameaçada de ursos-pretos-formosos, também conhecidos como ursos-de-garganta-branca, que precisam de protecção. Nesse sentido, o Governo assumiu, recentemente, o compromisso de prioritizar as energias renováveis – embora, no ranking de Performance Anti-Alterações Climáticas de 2020, o país tenha, ainda, obtido pobre classificação.

Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Ann Wang|REUTERS
Sugerir correcção