Greve climática

As vozes (e cartazes) que se erguem pelo clima ouvem-se nas ruas de todo o mundo

Lisboa Daniel Rocha
Fotogaleria
Lisboa Daniel Rocha

De cartazes na mão e máscaras na cara, os activistas climáticos saíram esta sexta-feira, 25 de Setembro, à rua por todo o mundo. Avisam que "não há planeta B" e exigem justiça climática. Na Suécia, Greta Thunberg marca presença com o cartaz de sempre — o mesmo que a acompanha desde o dia em que começou a faltar às aulas, em 2018, para protestar pelo clima, impulsionando  jovens de todo o mundo a fazerem o mesmo. E milhares saíram mesmo, em Berlim (onde se concentraram 10 mil pessoas segundo as autoridades, 21 mil segundo a organização), Viena, Sydney, Nairobi, entre outros.

Em Portugal, os protestos pela crise climática foram marcados para cidades por todo o país. Em Lisboa, não faltaram cânticos, cartazes e t-shirts em defesa do ambiente. Com alguns percalços pelo caminho, a greve pelo ambiente arrancou pelas 16h no Marquês e reuniu cerca de 300 pessoas, que protestaram contra a falta de medidas e exigiram acção política pelo ambiente. "Não há vacina que nos salve da crise climática", diziam vários cartões.

No Porto, cerca de 30 manifestantes concentraram-se em pequenos grupos na Avenida dos Aliados, às 17h30. Ouviram-se cânticos que, com o passar da tarde, foram perdendo a força. À frente da Câmara Municipal, uma montra de sapatos simbolizou aqueles que, por restrições impostas pela pandemia, não puderam estar presentes. É lá que estão também os cartazes que exigem mudança urgente: por exemplo, “Transição energética, já!”.

Lisboa,
Lisboa, Daniel Rocha
Lisboa,
Lisboa, Daniel Rocha
Lisboa
Lisboa Daniel Rocha
Lisboa
Lisboa Daniel Rocha
Lisboa
Lisboa Daniel Rocha
Porto
Porto Teresa Pacheco Miranda
Porto
Porto Teresa Pacheco Miranda
Porto
Porto Teresa Pacheco Miranda
Porto
Porto Teresa Pacheco Miranda
Porto
Porto Teresa Pacheco Miranda
Filipinas
Filipinas EPA/ROLEX DELA PENA
Greta Thunberg protesta em frente ao Parlamento Sueco
Greta Thunberg protesta em frente ao Parlamento Sueco EPA/Janerik Henriksson
Greta Thunberg, Suécia
Greta Thunberg, Suécia EPA/Janerik Henriksson
Sydney, Australia
Sydney, Australia EPA/DEAN LEWINS
Sydney, Australia
Sydney, Australia EPA/DEAN LEWINS
Sydney, Australia
Sydney, Australia EPA/DEAN LEWINS
Filipinas
Filipinas EPA/ROLEX DELA PENA
Filipinas
Filipinas EPA/ROLEX DELA PENA
Filipinas. Uma imagem onde surgem mãos ligadas em todo o mundo, para marcar a greve climática
Filipinas. Uma imagem onde surgem mãos ligadas em todo o mundo, para marcar a greve climática EPA/ROLEX DELA PENA
Manifestantes na cidade de Rzeszow, na Polónia.
Manifestantes na cidade de Rzeszow, na Polónia. EPA/DAREK DELMANOWICZ
Rzeszow, Polónia.
Rzeszow, Polónia. EPA/DAREK DELMANOWICZ
Rzeszow, na Polónia
Rzeszow, na Polónia EPA/DAREK DELMANOWICZ
Rzeszow, na Polónia
Rzeszow, na Polónia EPA/DAREK DELMANOWICZ
Rzeszow, na Polónia
Rzeszow, na Polónia EPA/DAREK DELMANOWICZ
Varsóvia, na Polónia
Varsóvia, na Polónia Reuters/KACPER PEMPEL
Berlim, Alemanha
Berlim, Alemanha EPA/HAYOUNG JEON
Hamburgo, Alemanha
Hamburgo, Alemanha Reuters/FABIAN BIMMER
Hong Kong, China
Hong Kong, China Reuters/JOYCE ZHOU
Bruxelas, Bélgica
Bruxelas, Bélgica Reuters/YVES HERMAN
Rzeszow, Polónia
Rzeszow, Polónia EPA/DAREK DELMANOWICZ
 Nairobi, Quénia
Nairobi, Quénia Reuters/THOMAS MUKOYA
Bruxelas, Bélgica
Bruxelas, Bélgica Reuters/YVES HERMAN
Viena, Áustria
Viena, Áustria Reuters/LEONHARD FOEGER
Viena, Áustria
Viena, Áustria Reuters/LEONHARD FOEGER
Nova Deli, Índia
Nova Deli, Índia EPA/RAJAT GUPTA
Cidade do Cabo, África do Sul
Cidade do Cabo, África do Sul Reuters/SUMAYA HISHAM
Kyiv, Ucrânia
Kyiv, Ucrânia Reuters/VALENTYN OGIRENKO
Berlim, Alemanha
Berlim, Alemanha EPA/FILIP SINGER
Berlim, Alemanha
Berlim, Alemanha EPA/HAYOUNG JEON
Berlim, Alemanha
Berlim, Alemanha EPA/FILIP SINGER
Berlim, Alemanha
Berlim, Alemanha EPA/FILIP SINGER
Nairobi, Quénia
Nairobi, Quénia Reuters/THOMAS MUKOYA
Nairobi, Quénia
Nairobi, Quénia Reuters/THOMAS MUKOYA
Sugerir correcção