V. Guimarães lamenta decisão da Liga e da DGS de proibir público na tribuna

Clube decidiu pôr um travão no plano de convidar 40 sócios a assistirem aos jogos no Estádio D. Afonso Henriques.

direccaogeral-saude,lpfp,desporto,v-guimaraes,futebol-nacional,
Foto
Miguel Vidal/Reuters

Face à posição tomada pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) e às directrizes da Direcção-Geral de Saúde (DGS) quanto à presença de adeptos nas tribunas presidenciais dos clubes, o V. Guimarães anunciou nesta segunda-feira que suspendeu o plano de convidar 40 sócios para os jogos em casa. 

O Vitória já tinha visto as autoridades regionais de saúde (no caso, a ARS Norte) rejeitarem a intenção, com o argumento de que na tribuna presidencial não são admissíveis adeptos, mas apenas membros dos órgãos sociais dos clubes e representantes da LPFP e da Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Uma interpretação que não decorria propriamente da leitura do Plano de Retoma das competições, em concreto do artigo 2.6, que dispõe que não pode ser excedida 50% da capacidade dos camarotes.

Face à intenção do Vitória e, mais tarde, também do Benfica, de utilizar aquele espaço (preenchido por convite) para dar uma oportunidade a um número reduzido de sócios de presenciarem os jogos em casa, a LPFP concretizou, no passado sábado, que o espírito das normas aprovadas nunca foi o de autorizar a entrada de adeptos naquele espaço do estádio.

O emblema vimaranense, que entretanto já tinha feito uma espécie de contra-proposta às autoridades de saúde, disponibilizando-se para custear os testes serológicos aos 40 adeptos convidados, autorizando ou impedindo a entrada em função dos resultados, vê nesta posição da LPFP e da DGS um impedimento definitivo a esta intenção.

“A 26 de Setembro, a Liga Portugal comunicou aos clubes que, ‘pela actual situação epidemiológica que o país apresenta, não pode a DGS concordar com a presença de convidados’. Face a esta deliberação, o Vitória SC informa que, até novas indicações, não realizará sorteios com vista à presença de associados nos jogos a disputar na condição de visitado”, explicam os vimaranenses, em comunicado.

A direcção do Vitória entende que “o desígnio comum de permitir o regresso dos adeptos aos estádios exige um redobrado sentido de responsabilidade” e aproveita a ocasião para enaltecer “o comportamento dos seus sócios e adeptos ao longo dos últimos meses” mas deixa também um reparo. “Não podemos deixar de lamentar que sobre o público do futebol recaiam hoje restrições que não se aplicam a outros eventos de massas e que geram rótulos e estereótipos que nem em contextos de pandemia podem ser admitidos”.

Sugerir correcção