PAULO PIMENTA
Foto
PAULO PIMENTA

Associação paga propinas a 20 alunos da Universidade do Porto que não tiveram bolsa

O projecto-piloto da Stand4Good vai começar por apoiar 20 jovens da U. Porto que ficaram excluídos das bolsas de acção social para o ano lectivo de 2020/2021. Programa inclui mentoria e preparação para o mercado de trabalho.

Um novo projecto de intervenção social chamado Stand4Good vai atribuir bolsas a 20 estudantes de licenciatura ou mestrado integrado da Universidade do Porto.

Os estudantes não se podem candidatar aos apoios da associação apresentada esta quinta-feira, 8 de Outubro, e desenvolvida em parceria com a Universidade do Porto. Os 20 mil euros serão distribuídos pelos primeiros 20 candidatos que ficaram de fora da lista de atribuição de bolsas e cumpram os critérios de elegibilidade definidos.

“O actual contexto de pandemia vem acentuar de forma expressiva as desigualdades já existentes, com muitas famílias a perderem grande parte do seu rendimento e muitos jovens a terem de abandonar o ensino superior”, diz Mafalda Teixeira Bastos, co-fundadora da associação, citada no comunicado. “A Stand4Good nasce precisamente para combater esta problemática”, considera.

A associação vai acompanhar “de forma próxima” os alunos durante o seu percurso, proporcionando um programa de mentoria para trabalhar competências de desenvolvimento pessoal e profissional e um programa de bolsas de estágio e integração profissional. O projecto-piloto tem a duração de dois anos lectivos, de 2020 a 2022.

Também no comunicado, José Castro Lopes, pró-reitor da U.Porto responsável pelo pelouro da Acção Social, afirma que estas bolsas serão “um complemento importante” aos apoios que a universidade “tem vindo a proporcionar aos estudantes mais atingidos pelas consequências económicas da pandemia”.

No final do projecto, aberto a doações, a associação vai realizar uma avaliação de impacto, com o intuito de “replicar e escalar o projecto” e apoiar mais jovens que se encontrem em risco de abandono académico por circunstâncias de carência económica.

Sugerir correcção