Instagram Pussy Riot
Foto
Instagram Pussy Riot

Pussy Riot dão os parabéns a Putin com bandeiras LGBTQ espalhadas pelas ruas

O colectivo de activistas pendurou cinco bandeiras em edifícios públicos de Moscovo, no aniversário de Putin, a 7 de Outubro — data que propõem tornar Dia da Visibilidade LGBTQ. A acção de protesto quer chamar a atenção para as violações dos direitos humanos no país.

No aniversário de Vladmir Putin, cinco edifícios da administração russa foram decorados com bandeiras LGBTQ+ — uma “prenda de aniversário” das Pussy Riot para o presidente da Rússia. 

O colectivo escolheu as bandeiras “como símbolo da falta de amor e liberdade”, como escreveu, no Instagram, onde explica a acção de protesto e nomeia as activistas envolvidas: “O Estado não deve interferir na vida da comunidade LGBTQ. Mas, se o faz, então a comunidade pode intervir na vida do Estado.”

PÚBLICO -
Foto
Instagram Pussy Riot

De acordo com o colectivo, dois jornalistas foram detidos enquanto seguiam as 11 activistas, que, durante o dia e com escadotes, erguerem bandeiras no exterior do Supremo Tribunal, no Ministério da Cultura, no edifício dos serviços secretos russos (FSB)na rua Lubianka, que na era comunista albergava o KGB, no gabinete da Presidência russa e na esquadra da polícia em Basmanny, Moscovo.

Na publicação na conta oficial do colectivo, as activistas reivindicam que o Governo deve “legalizar as parcerias do mesmo sexo”, “passar uma lei que previna a discriminação com base no género ou na orientação sexual”, “investigar as mortes e raptos das pessoas gay, lésbicas, transgénero e queer na Tchechénia​”, “parar de assediar activistas e organizações que auxiliam a comunidade LGBTQ” e, acrescentam, tornar o dia 7 de Outubro, aniversário de Putin, Dia da Visibilidade LGBTQ. 

A Rússia descriminalizou a homossexualidade há décadas, mas o casamento e a adopção entre pessoas do mesmo sexo são proibidos e os ataques a pessoas LGBTQ persistem. Em 2017, relatos de organizações de defesa dos direitos humanos e reportagens davam conta que as autoridades tchetchenas estavam a deter ilegalmente, a torturar ou a matar centenas de homens em toda a república, acusados de serem homossexuais

Ver esta publicação no Instagram

Pussy Riot congratulates Putin with his 68th birthday and puts up rainbow flags on 5 of the most important government buildings in Russia - Federal Security Service on Lubyanka, Administration of the President of Russia, Russian Supreme Court, Ministry of Culture and the police station in Basmanny district. “There will never be any restrictions on the basis of orientation in Russia,” promised Putin. At the same time, the government was killing gay people in Chechnya, passing transphobic laws (for "strengthening the institution of the family"), persecuting fathers of children born from surrogate mothers. To encourage people to vote for changes in the Constitution that allowed Putin to stay in power indefinitely, propaganda shared horrific homophobic videos aiming to convince our Russian citizens that staying in the same-sex family is worse than living in an orphanage for a kid. We chose rainbow flags as our gift to Putin as a symbol of missing love and freedom. The state should not interfere in life of the LGBTQ community. But if it does, then the community can intervene in the life of the state. You yourself like to say "symmetrical response" in such cases. Therefore, we require from the government of Russia and Vladimir Putin himself: 1. Investigate the killings and kidnappings of gay, lesbian, transgender and queer people in Chechnya 2. Stop harassment of activists and organizations who help the LGBTQ community 3. Pass a law that prevents discrimination on the basis of gender and sexual orientation 4. Legalize same-sex partnerships 5. Stop harassment of same-sex families, stop taking away children from these families 6. Abolish "a propaganda of non-traditional sexual relations" law as discriminatory and violating the right to freedom of expression 7. Make October 7 LGBTQ Visibility Day. Participants: Sasha Sofeev @sofeev Nika Nikulshina @protrezvey Renat Davletgildeev @renatmaratych Masha Alekhina @allmary Lucya Stein @lcshtn Tim Bestsvetniy @flutim Alan Leongard @lejonjakt Masha Timofeeva @mary_v_atmosphere Vasiliy Adrianov @krestpaysan Elizaveta Diderikh @lizadiederich21 Diana @rosemary_loves_a_blackberry

Uma publicação partilhada por ?????????? ???????? ???? (@wearepussyriot) a

Há oito anos, as três fundadoras do grupo punk rock feminista e queer foram condenadas a dois anos de prisão por “hooliganismo e incitamento ao ódio religioso”, depois de uma performance não autorizada contra Putin, na catedral moscovita do Cristo Salvador, a que chamaram “oração punk”. 

Sugerir correcção