Formentor, o primeiro Cupra desde o berço

A insígnia já tem quase três anos e experiência em transformar modelos Seat em carros Cupra. Mas, agora, apresenta um modelo só seu: o Formentor mostra ao que a marca vem.

seat,automoveis,consumo,motores-novidade,fugas,motores,
Fotogaleria
A motorização de estreia é a mais potente de todas, com 310cv
seat,automoveis,consumo,motores-novidade,fugas,motores,
Fotogaleria
seat,automoveis,consumo,motores-novidade,fugas,motores,
Fotogaleria
seat,automoveis,consumo,motores-novidade,fugas,motores,
Fotogaleria
,Carro
Fotogaleria
,CUPRA Formentor VZ
Fotogaleria
,Carro
Fotogaleria
,Grupo Volkswagen
Fotogaleria
,Crossover
Fotogaleria
,Grupo Volkswagen
Fotogaleria
,Grupo Volkswagen
Fotogaleria
,Carro
Fotogaleria
,CUPRA Ateca
Fotogaleria
,Município de Martorell
Fotogaleria
,Crossover
Fotogaleria
,Crossover
Fotogaleria
,Grupo Volkswagen
Fotogaleria
,Carro
Fotogaleria

Quando, em 2018, a Seat apresentou o braço desportivo Cupra, foi difícil compreender que se tratava de efectivamente uma marca nova. Mais ainda quando as primeiras investidas foram em versões apimentadas de modelos do conhecido emblema espanhol. E, mesmo que tudo neles estivesse diferente, era uma missão quase impossível explicar que um Leon Cupra não é a mesma coisa que um Cupra Leon (já agora: não é!).

Mas, para se afirmar como marca, faltava à Cupra um portefólio em nome próprio. E o precursor desta aventura não se parece nada com uma experiência, mas com uma afirmação extremamente assertiva de que a marca veio para ficar.

O Formentor, apresentado em 2019 a Genebra, veste-se de agressividade e de poder para ser a bandeira do emblema recém-nascido: com um comprimento de 4,45m (o Volkswagen Tiguan, do mesmo grupo, mede apenas mais 5cm), apresenta-se como um SUV, embora o que mais salte à vista sejam as suas características desportivas. E não é para menos: a motorização de estreia é a mais potente de todas, assente num motor 2.0 TSI, a debitar 310cv e 400 Nm às quatro rodas e acoplada a uma sempre eficiente transmissão automática DSG (desde 40.030€)​. Números que deixam adivinhar prestações de um verdadeiro desportivo: acelera dos 0 aos 100 km/h em 4,9 segundos — e não se tendo efectuado medições, é possível garantir que o corpo facilmente “cola” ao assento. Claro que os valores de emissões e de consumos não são tão agradáveis: 8,5 l/100 km e 193 g/km (valores WLTP).

Fotogaleria

No entanto, para quem procura potência, a marca de Martorell promete compensar o ambiente com uma versão híbrida de ligar à corrente, prevista para chegar ao mercado em 2021, capaz também de prestações aliciantes, mas com uma motorização mais adequada ao mercado nacional. É que, além de uma autonomia eléctrica para quase 60 quilómetros e cilindrada e peso de CO2 bem mais leves para o cálculo do imposto, surge com performances que não comprometem a sua veia de desportivo. Com um 1.4 TSI e um propulsor eléctrico, apresentará uma potência conjunta de 245cv, com 400 Nm de binário. Para quem procura uma alternativa apenas a gasolina, será disponibilizado um 2.0 TSI com 245cv, com transmissão automática de dupla embraiagem DSG.

Estes três carros terão a denominação VZ, de “velozes”, por terem 245 ou mais cavalos de potência. Sem essa designação, porém, há mais quatro motores à escolha: também híbrido de ligar à corrente, o 1.4 TSI com um motor eléctrico, mas com “apenas” 204cv, enquanto a gasolina são servidos o 2.0 TSI 190cv DSG 4Drive e o “fraquinho” 1.5 TSI com 150cv e binário de 250 Nm (a partir de 31.990€). A oferta a gasóleo resume-se ao sempre competente 2.0 TDI com 150cv, acoplado a uma DSG ou a uma caixa manual de seis velocidades.

Em termos de design, tudo foi pensado ao mais ínfimo pormenor. O Formentor parece ter sido esculpido de forma a transmitir emoção e ao mesmo tempo elegância, dois conceitos que nem sempre são fáceis de casar, sobretudo num SUV. A frente, determinada, é marcada por uma grande grelha e pelos faróis Full-LED, sob os quais surgem as entradas de ar, determinantes para arrefecer os travões quando se puxa mais pelo motor. Atrás, além do spoiler e difusor, salta à vista a linha luminosa que, de ponta a ponta, cria uma expressiva largura visual.

Mas a Cupra não se ficou pelo aspecto geral e trabalhou o design até ao mais ínfimo detalhe, apostando em pormenores a que os amantes dos desportivos não ficam indiferentes, como é o caso das jantes, um “elemento-chave” destes carros, descreveu Tony Gallardo, chefe de design dos componentes exteriores, ao PÚBLICO (ver caixa). Dos primeiros esboços (começam por ser “entre 500 e 800”) à finalização, foi necessário o trabalho de 12 meses, “para assegurar o fabrico e a resistência ao longo da sua vida”. No final, há quatro jantes, de 18 e 19 polegadas, e trata-se de, “a par das opções de cor, a maior personalização exterior do Formentor”.