Mais um achado “incrível” em Pompeia: arqueólogos descobriram dois corpos quase intactos

A investigação agora em curso poderá esclarecer melhor o papel destes dois homens e para onde se dirigiam no momento da tragédia. Um deles seria um homem rico, e o outro, provavelmente, o seu escravo.

pompeia,historia,patrimonio,culturaipsilon,italia,arqueologia,
Fotogaleria
LUIGI SPINA/REUTERS
pompeia,historia,patrimonio,culturaipsilon,italia,arqueologia,
Fotogaleria
LUIGI SPINA/REUTERS
pompeia,historia,patrimonio,culturaipsilon,italia,arqueologia,
Fotogaleria
LUIGI SPINA/REUTERS
pompeia,historia,patrimonio,culturaipsilon,italia,arqueologia,
Fotogaleria
LUIGI SPINA/REUTERS
,Sítio arqueológico
Fotogaleria
LUIGI SPINA/REUTERS
Sítio arqueológico
Fotogaleria
LUIGI SPINA/REUTERS

Arqueólogos do Parque Arqueológico de Pompeia, perto de Nápoles, no Sul de Itália, revelaram este sábado que encontraram dois corpos quase intactos que puderam ser reconstituídos na posição em que estavam no momento da sua morte. Os corpos terão sido petrificados aquando da erupção do vulcão Vesúvio, no ano 79 da era cristã. Análises do local revelaram que provavelmente tentavam escapar quando o primeiro andar da casa ruiu. Os investigadores acreditam que o fluxo piroclástico, um dos fenómenos resultantes das erupções, tenha inundado a sala e sepultado os moradores nas cinzas.

A descoberta ocorreu há poucos dias na escavação que está a decorrer desde o inicio do ano na grande vila suburbana de Civita Giuliana, uma luxuosa propriedade situada na parte noroeste da cidade, onde em 2017 já haviam sido localizados alguns restos mortais de três cavalos. Agora foram descobertos estes dois homens: um deles, cuja idade andará entre os 30 e os 40 anos e que está envolto num manto de lã, parece ser um homem rico; o outro, entre os 18 e os 23, medindo 1,56 metros, poderá ser um escravo. As compressões vertebrais pouco comuns para sua idade indicam que carregava muito peso e fazia trabalhos manuais. Em ambos os corpos é possível ver as dobras das roupas. Parecem adormecidos no chão, com as mãos ainda no peito e os dedos cruzados sobre a túnica.

A operação, que foi definida como “incrível” pelo ministro da Cultura italiano Dario Franceschini, está ainda em curso. Segundo os arqueólogos, a escavação poderá talvez esclarecer melhor nos próximos meses o papel destes dois homens e para onde se dirigiam no momento da tragédia. No entanto, “os primeiros estudos indicam que a morte deve ter ocorrido na madrugada do segundo dia da erupção, ou seja, por volta das 9h do dia 25 de Outubro de 79 d.C.

Soterrada pela erupção do Vesúvio, a antiga cidade de Pompeia é o segundo local mais visitado da Itália, depois do Coliseu de Roma, com cerca de quatro milhões de visitantes em 2019. Apenas um terço da cidade, que se estende actualmente sobre 44 hectares, foi já escavado pelos arqueólogos.

Sugerir correcção