Covid-19: Costa diz que ficaria “muito surpreendido” com o Natal sem estado de emergência

Medidas que estão a ser adoptadas são menos intensas, mas com maior extensão temporal, diz primeiro-ministro.

covid19,coronavirus,sociedade,antonio-costa,governo,
Foto

O primeiro-ministro afirmou este sábado que ficaria “muito surpreendido” se não vigorar o estado de emergência no Natal, alegando que o conteúdo das medidas que estão a ser adoptadas é menos intenso, mas com maior extensão temporal.

“Ficaria muito surpreendido se não houvesse estado de emergência no Natal, porque isso significa que a evolução do combate à epidemia teria sido muito rápida”, declarou António Costa em conferência de imprensa. Apesar da insistência dos jornalistas, António Costa diz que não vai antecipar as medidas para a época festiva que se aproxima.

António Costa assumiu esta perspectiva depois de ter anunciado novas medidas contra a covid-19 tomadas na sexta-feira em Conselho de Ministros no âmbito da prorrogação do estado de emergência. 

Quais as novas medidas?

Entre as medidas anunciadas este sábado está a proibição de circulação entre concelhos entre as 23h de 27 de Novembro e as 5h do dia 2 de Dezembro bem como entre as 24h do dia 4 de Dezembro e as 5h do dia 9 de Dezembro, salvo as excepções já aplicadas durante o fim-de-semana de finados.

As aulas serão suspensas nas segundas-feiras que antecedem os dois primeiros feriados de Dezembro para evitar deslocações adicionais. Também a administração pública terá tolerância de ponto. Relativamente aos privados, estes serão aconselhados a dar dispensa aos trabalhadores nestes dois dias. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro neste sábado.

Passa a ser obrigatória a utilização da máscara em locais de trabalho, salvo nos postos de trabalho isolado.

Os concelhos passam a ser alvo de medidas diferentes dependendo do grau de risco na região que é calculado com base nos casos registados nos últimos 14 dias.

Sugerir correcção