Quase um ano depois do início da pandemia, Wuhan retoma a normalidade

Volvido quase um ano desde que os primeiros casos de “pneumonia viral” começaram a aparecer na cidade chinesa, Wuhan recupera a normalidade. As imagens mostram a cidade no início de pandemia e agora, durante a recuperação.

Foto
Getty Images

Era dia 31 de Dezembro de 2019 quando a China alertava a Organização Mundial da Saúde para casos de “pneumonia viral” na cidade de Wuhan. Começava aí a pandemia de covid-19, ainda que, na altura, não o soubéssemos. Agora, quase um ano depois, a cidade começa a retomar a normalidade. As ruas voltam a ter movimento, as estradas voltam a ficar entupidas de carros, os residentes voltam a sair de casa. As imagens captadas pelos fotógrafos da Getty Images mostram o antes e o depois da cidade onde tudo começou. 

O parque Jiangtan volta a ver pessoas

Getty Images/Freelancer

As pessoas voltam a sair à rua

Getty Images/Freelancer

Volta a haver movimento

Getty Images/Freelancer

Numa altura em que a pandemia já passou os 72 milhões de casos de infecção por todo o mundo e provocou mais de 1,5 milhões de mortes, a cidade está a recuperar. Na verdade, depois do surto de covid-19, tornou-se num dos principais pontos turísticos da China. Segundo dados do Departamento de Cultura e Turismo da Província, Wuhan, a capital regional, recebeu quase 19 milhões de visitantes. Durante a Semana Dourada, um período festivo entre 1 e 7 de Outubro, recebeu mais de 52 milhões de turistas.

As luzes de Natal já têm apreciadores

Getty Images/Freelancer

Os residentes já saem à rua

Getty Images/Freelancer

As linhas do metro voltam a ter movimento

Getty Images/Freelancer

Volta a haver trânsito

Getty Images/Freelancer

A China contabiliza cerca de 94 mil casos e 4752 mortes por covid-19. Wuhan, que esteve bloqueada durante mais de dois meses, não conta novos casos há meio ano. 

A ponte sobre o rio Yangtse

Getty Images/Freelancer

As auto-estradas voltam a ter carros

Getty Images/Freelancer

Rua em Fevereiro e em Dezembro

Getty Images/Freelancer

Em Novembro, os portugueses resgatados de Wuhan em Fevereiro regressaram àquela que consideraram ser “a mais segura” cidade do mundo. “As velhinhas afastam os netos quando me vêem; o segurança no meu condomínio faz sempre questão de verificar a minha temperatura antes de me deixar entrar”, descreveu à Lusa António Rosa, professor de Design e Arte numa escola internacional de Wuhan, que foi também resgatado, mas acabou por voltar em Maio último.

Rua a ser desinfectada e, agora, movimentada

Getty Images/Freelancer

As lojas voltam a ter clientes

Getty Images/Freelancer

As auto-estradas voltam a ter carros

Getty Images/Freelancer