A linha que quer “abraçar as pessoas com as palavras” já atendeu mais de 50 mil chamadas

A Linha de Atendimento Psicológico foi criada a 1 de Abril, durante a crise sanitária, mas a ideia é que se mantenha, mesmo quando a pandemia acabar.

coronavirus,sns,saude-mental,saude,sociedade,servico-nacional-saude,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
coronavirus,sns,saude-mental,saude,sociedade,servico-nacional-saude,
Fotogaleria
Paulo Pimenta

“O meu nome é Luís Pinheiro, sou psicólogo clínico, em que posso ajudar?”. Luís Pinheiro é apenas um dos 63 profissionais que estão do outro lado da Linha de Atendimento Psicológico (LAP) do SNS24 que funciona 24 horas por dia, sete dias por semana, e que está disponível para qualquer pessoa que queira falar sobre o que o está a perturbar naquele momento.

“Em funcionamento desde 1 de Abril, a LAP atendeu, até ao dia 13 de Dezembro, 54.779 chamadas, das quais 4248 de profissionais de saúde. A média etária dos utentes oscila entre os 45 e os 50 anos, sendo a maioria do sexo feminino. As chamadas estão relacionadas com problemas associados a ansiedade, stress, sintomatologia depressiva, gestão de emoções e adaptação em situações de crise”, lê-se numa resposta enviada ao PÚBLICO pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS).

Pessoas que perderam o trabalho durante a crise sanitária, ou que têm medo de o perder, com receio de contrair o vírus, de o transmitir a familiares, que perderam alguém por causa da covid-19, que não conseguem pagar contas, que estão a acumular dívidas, que se sentem ansiosas, isoladas. Ou nada disto, e apenas uma memória antiga, muito anterior à pandemia, que as está a perturbar. Os motivos que levam alguém a marcar o número 808 24 24 24 ​são inúmeros, e podem estar ou não relacionados com a pandemia, contam os psicólogos que trabalham na linha.

Ana Mota Teles, de 39 anos, psicóloga clínica com formação em intervenção em crise, faz parte deste serviço desde o início: “Numa crise, não era sequer hipótese não fazer alguma coisa, tenho necessidade de contribuir para que esta crise tenha menos impacto na população.” Continua a trabalhar como psicóloga clínica, a dar consultas, formações, consultorias, entre outros projectos, para além da linha.

Foto
Ana Mota Teles Paulo Pimenta

Neste momento, trabalha cerca de 14 horas por dia, só na linha faz oito horas: das 10h às 14h e, depois, das 22h às 2h. Tal como outros psicólogos deste serviço, trabalha a partir de casa, onde atende as chamadas. Pelo meio, ainda encaixa a prática de exercício físico três vezes por semana: faz aulas de ginástica online, sobretudo dança. Servem para aliviar o stress. “Temos histórias muito puxadas que exigem muito, temos de tentar um equilíbrio”, diz.

Aconselhamento e não acompanhamento

A linha é, explica, de aconselhamento e não de acompanhamento psicológico: “Não se pode substituir as consultas com um psicólogo por sucessivas chamadas para a linha.” O que Ana Mota Teles faz é “aconselhar”, encaminhar, facilitar. Pode sugerir exercício, autocuidados. Depende. Ouve e conversa, com um tom de voz calmo: “Tento acalmar a pessoa naquele momento, mostrar saídas, estratégias para regulação emocional. Ajudamos a pessoa a gerir a situação naquele momento.” E acrescenta: “Na linha queremos abraçar as pessoas com as palavras.”

Deparam-se com “situações muito diferentes”. Podem ser profissionais de saúde, “preocupados, porque querem dar o melhor, mas nestas condições não conseguem”. Ou “pessoas que trabalham em lares e têm medo de causar um surto”, pessoas que tinham consultas de psicologia no sector privado, que deixaram de ter dinheiro para as pagar e que têm dificuldade em marcá-las no Serviço Nacional de Saúde (SNS), pessoas com dificuldades económicas, que perderam rendimentos ou o emprego. E também jovens que “terminaram namoros, que estão com dificuldades em fazer a gestão emocional”: “Muitos adolescentes costumavam ter vidas super atarefadas e de repente pararam. Têm de voltar aos escapes, fazer exercício, distrair-se, mesmo que seja dentro de casa. Sugiro, por exemplo, videoconferências com amigos, com aulas de dança, a diversão é fundamental”, nota.

Miúdos a verem o vírus nas paredes

Também podem ser pais a pedir ajuda porque os filhos, pequenos, dizem que estão a ver o vírus nas paredes. Às vezes, a conversa é com os pais, outras com a criança. Miúdos receosos de que as pessoas de quem gostam morram ou que ficaram confusos em períodos de isolamento, sem ver amigos. Idosos que se sentem sozinhos à noite, no “vazio” da casa. Que têm medo de sair à rua. Mães, que acabaram de ter filhos, e que estão muito isoladas em casa. Pessoas com problemas de saúde que viram exames adiados. E há também quem já tivesse quadros de depressão e ansiedade, e por vezes de ideação suicida, antes da pandemia, e que pioraram no actual contexto.

Bento Sério, de 51 anos, psicólogo clínico, com formação, entre outras, em intervenção em crise e catástrofe, também está no projecto desde o início e também mantém outro trabalho como psicólogo clínico no SAMS (do Sindicato dos Bancários). Na linha, normalmente entra às 20h e fica até à meia-noite.

Foto
Bento Sério Nuno Ferreira Santos

Recorda o “desconhecimento” sobre a pandemia que, numa primeira fase, gerava “medos, desconforto e ansiedade”. A isto juntaram-se as “dificuldades do dia-a-dia”, originadas pelas “mudanças que a pandemia trouxe”, situações novas como o teletrabalho, miúdos sem escola, a necessidade de “gerir uma realidade familiar diferente” ou mesmo o desemprego e a quebra de rendimentos. Já recebeu igualmente telefonemas de idosos com “muitas queixas de solidão”: “Tinham as suas vidas organizadas, alguns em universidades seniores, a pandemia acabou com muitas actividades e, ainda por cima, estão impedidos de estar com muitos dos familiares. Sentem-se sozinhos”, conta. Além disso, o “cansaço e esgotamento de tudo isto já é grande”. Não tem dúvidas: “A pandemia ajudou a destabilizar a saúde mental.”

Admite que fazer este aconselhamento por telefone representa “uma diferença enorme” em relação ao contacto presencial, exigindo “mais esforço para entender aquela situação naquele momento.” O que fazem para ajudar? “Aconselhamos passos para minimizar os problemas. Quando as pessoas nos ligam e estão muito alteradas, dando a informação adequada, ou mostrando técnicas de controlo de respiração, de relaxamento, através do nosso tom de voz —​ isso ajuda a pessoa a começar a raciocinar melhor. Não deixamos as pessoas sem resposta. Podemos reagendar um contacto no dia seguinte para saber como está. Até para a pessoa entender que não está sozinha.”

Bento Sério frisa que têm também “a possibilidade de pedir uma consulta psiquiátrica de urgência no SNS e [as pessoas] também podem ser encaminhadas para o médico de família”: “Nós activamos o pedido de consulta médica, depois o enfermeiro fará essa triagem e encaminha, se necessário, para urgência psiquiátrica ou para o médico de família. O psicólogo pode, se for necessário, activar a linha de urgência em caso de risco de vida da pessoa, e a ambulância vai a casa da pessoa.” Noutros casos, em que alguém liga, porque não tem, por exemplo, “dinheiro para necessidades básicas”, é informada sobre “programas de apoio social em curso” em juntas de freguesia ou câmaras municipais. No fundo, mostram “recursos” a quem está do outro lado.

Foto
Luís Pinheiro Nuno Ferreira Santos

Também o psicólogo clínico Luís Pinheiro, de 30 anos, está na linha desde o princípio: quis apoiar, sentiu a “responsabilidade social” da profissão que tem. Mantém igualmente outro trabalho, como psicólogo clínico, e na linha trabalha três a quatro horas por dia, entre o final da tarde e a noite.

Já atendeu chamadas muito diferentes: perturbações de ansiedade, do humor, depressão, isolamento, fragilidades anteriores à pandemia que ficaram “mais fortes”: “Aquelas dinâmicas que, no nosso dia-a-dia, fazíamos muito normalmente, como dar uma volta, estar com amigos, ir ao cinema, e que agora fazemos menos ou temos medo de fazer, isso tem impacto na nossa saúde mental. Por mais que se diga que a tecnologia pode ajudar, não substitui, porque as relações físicas não são substituídas pela tecnologia”, nota. A tudo isto junta histórias de vulnerabilidade social, uma “ansiedade relacionada com o futuro, o não sabermos o panorama social dos próximos tempos”. Há também receio da morte, pessoas que não se sentem seguras no local de trabalho, que estão com covid-19 em casa e não estão a conseguir lidar com a ansiedade.

“Percebeu-se que a pandemia iria afectar as pessoas e criou-se este serviço, mas qualquer pessoa que sinta que está em situação de vulnerabilidade ou crise e queira ter ajuda de um psicólogo, pode ligar”, diz Teresa Espassandim, da direcção da Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) e coordenadora da equipa que apoiou a criação da linha, frisando que todos os psicólogos deste serviço são especialistas em psicologia clínica e da saúde. Considera que o projecto é “importante”, até porque o número de psicólogos no SNS é muito baixo​, mas ressalva: “Claro que isto não substitui os psicólogos nos centros de saúde, é uma resposta que deve ser articulada, porque é uma intervenção breve. Muitas necessitam de outro tipo de acompanhamento.”

Menos procura no Verão

A especialista nota que no Verão, em Agosto, houve menos procura: “Outubro teve incomparavelmente mais chamadas do que Agosto, por exemplo. Mas, em Maio, o número de chamadas também foi muito elevado.” E há razões que o explicam: “Houve menos infectados, número menor de mortos, um cenário mais controlado do que agora… E, em qualquer circunstância, o período de férias é uma altura em que as pessoas têm mais descanso e convívio, que são factores protectores da saúde mental.” Agora, já se nota “a fadiga da pandemia”: “Estamos há nove meses nisto, estamos muito cansados.”

A responsável salienta que “em Abril, Maio e Junho, a crise era, sobretudo, sanitária, com medo dos contágios”: “Agora é económica e social, há perda de rendimentos, pessoas que não conseguem pagar contas, que vêem dívidas a acumular, negócios a fecharem. Isto tem efeitos devastadores. Quando alguém perde a esperança, perde também recursos para lidar com os problemas”.

Teresa Espassandim explica que “o facto de estarmos vigilantes e menos espontâneos implica um esforço cognitivo adicional”: “Não é simplesmente uma situação nova, mas uma situação nova que assusta as pessoas. Às vezes, não é tão literal como o medo de sermos contagiados, é uma sensação de perda de controlo das nossas vidas.” Além disso, persiste uma dúvida: “Há esta dimensão do ‘quando é que isto acaba?’. A questão da esperança é crítica para a saúde mental e, na linha, conseguimos dar esperança, lembrando às pessoas todas as situações que foram capazes de resolver, lembrando que isto não durará para sempre”.

O serviço, que se pretende manter mesmo quando a pandemia acabar, foi criado inicialmente através de uma parceria entre os SPMS e a OPP, com apoio da Fundação Calouste Gulbenkian. Desde Outubro, porém, que “o financiamento e o serviço estão totalmente integrados e sob a responsabilidade do SNS24”, lê-se na resposta enviada pelos SPMS. Para o presidente do Conselho de Administração dos SPMS, Luís Goes Pinheiro, a linha contribui para prestar “mais apoio aos cidadãos, designadamente a lidar com o isolamento e os problemas de saúde mental associados, no momento crítico que o país atravessa”.