Governo não tenciona suspender ligações com o Reino Unido – pelo menos para já

Portugal prefere as medidas tomadas “universalmente”, em vez de iniciativas unilaterais, diz o Ministério dos Negócios Estrangeiros. Mas está atento à situação.

Foto
Augusto Santos Silva LUSA/MÁRIO CRUZ

O Governo português não tenciona seguir o exemplo de outros países europeus como a Holanda, Bélgica ou Itália, que já suspenderam os voos com o Reino Unido por causa da descoberta de uma nova variante, mais contagiosa, do novo coronavírus. Pelo menos para já.

Ao PÚBLICO, o Ministério dos Negócios Estrangeiros respondeu que Portugal está a seguir “com atenção a evolução da situação epidemiológica” do Reino Unido, mas prefere as medidas tomadas “universalmente”, em vez de determinar medidas unilaterais. Portugal foi um dos países que criticaram fortemente as decisões unilaterais de vários Estados-membros da União Europeia de encerrar fronteiras na primeira vaga da pandemia.

Questionado nesta manhã de domingo sobre se pondera seguir o exemplo daqueles países, o gabinete de Augusto Santos Silva limitou-se a responder: “É conhecida a posição portuguesa de privilegiar as medidas de protecção tomadas universalmente, em vez de restringir em demasia as possibilidades de circulação de pessoas que têm de viajar por razoes essenciais (profissionais, por reunião familiar, etc.).”

E acrescenta: “Mas seguiremos com atenção a evolução da situação epidemiológica do Reino Unido, privilegiando a cooperação estreita entre as autoridades de saúde dos dois países.”

Uma atitude diferente do que aconteceu no Verão, quando o Reino Unido decidiu unilateralmente medidas como a suspensão de voos e a quarentena obrigatória para quem regressasse de Portugal.

Espanha, país que muitos britânicos usam como base de chegada e partida para depois entrarem em Portugal pelo Algarve ou Alentejo, já anunciou que pediu à Comissão Europeia e ao Conselho Europeu que tenham uma resposta comunitária coordenada para responder a este novo cenário.

Depois de o primeiro-ministro Boris Johnson e cientistas britânicos terem anunciado que foi identificada no sudeste do Reino Unido uma nova variante do coronavírus com um elevado nível de propagação e que é muito mais contagiosa que as anteriores, diversos países europeus reagiram fechando fronteiras com aquele país.

A Holanda cancelou todos os voos vindos do Reino Unido já neste domingo e até dia 1 de Janeiro. A Bélgica anunciou a suspensão de ligações aéreas e ferroviárias (via o Eurostar, pelo túnel da Mancha) a partir da meia-noite deste domingo e por 24 horas, para decidir o que fazer no resto da semana. E está a coordenar-se com as autoridades rodoviárias francesas para controlar os veículos vindos de território britânico e que a atravessem.

A Escócia também proibiu as viagens para o resto do Reino Unido. E a Itália acaba de anunciar a suspensão de todos os voos provenientes de Inglaterra, a que somou a proibição de entrada em território italiano a quem tenha passado por Inglaterra nos últimos 14 dias, mesmo que chegue agora de outra proveniência. A Áustria anunciou hoje que está a estudar medidas idênticas. 

Além de proibir os voos provenientes de Inglaterra a partir das 24h de domingo e até 6 de Janeiro, a Alemanha acaba de impor a mesma limitação aos voos vindos da África do Sul, onde foi igualmente encontrada uma nova variante do coronavírus.