A despedida a Carlos do Carmo: “Sabe, gostava tanto de o ouvir cantar como de o ouvir falar”

Esta segunda-feira, a Basílica da Estrela foi o cenário para o último adeus a Carlos do Carmo, “um dos expoentes máximos da cultura portuguesa”, o cantor que “não nasceu para o fado” mas que ao fado teria, “inevitavelmente”, de chegar, o homem “coerente e corajoso, de uma generosidade quase infinita”.

Carlos do Carmo morreu no primeiro dia de 2021, aos 81 anos
Fotogaleria
Carlos do Carmo morreu no primeiro dia de 2021, aos 81 anos Nuno Ferreira Santos
cultura,carlos-carmo,fado,culturaipsilon,musica,lisboa,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
cultura,carlos-carmo,fado,culturaipsilon,musica,lisboa,
Fotogaleria
cultura,carlos-carmo,fado,culturaipsilon,musica,lisboa,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Uma das formas de comprovar a dimensão de um artista é lançar o olhar sobre a vida e perceber que, em cada momento, ele esteve lá. “Acompanhei a carreira desde que era solteira e casei no mesmo ano que ele. Tenho a colecção de discos toda, os vinis e os CD”, conta ao PÚBLICO Ermelinda de Oliveira, ela que, além disto, também partilha o ano de nascimento com Carlos do Carmo — era obviamente dele que falava à porta da Basílica da Estrela, em Lisboa, poucos minutos antes da missa de corpo presente do grande cantor e intérprete, do imenso fadista falecido no primeiro dia de 2021, aos 81 anos.